Da Polícia Civil

clonada

Placas e aparelho usado para a fabricação delas (Fotos: Flávia Barros – Banda B)

Dois homens suspeitos de integrar uma quadrilha especializada em adulteração de veículos e de manter uma fábrica de placas clandestinas no bairro Sítio Cercado, foram presos em flagrante na manhã desta quarta-feira (24), em posse de quatro veículos clonados. O trabalho foi realizado pela Delegacia de Furtos e Roubos de Veículos (DFRV).

clonada 23

Suspeitos estão detidos na carceragem da DFRV

Equipamentos para a fabricação de placas e tarjetas, ferramentas utilizadas para adulterar vidros, selos e chassis de veículos roubados também foram objetos apreendidos pela equipe policial.

Durante as investigações, os policiais realizaram monitoramento próximo a residência de João Fernando Moreira Mattos, 42 anos, localizada no bairro Xaxim, na Vila São Pedro, onde perceberam uma grande movimentação de veículos entrando e saindo.

A suspeita se confirmou ao notar um veículo HB20 branco estacionado na frente da casa. Ao verificar no sistema, os investigadores constataram que se tratava de um carro clonado e que seu verdadeiro proprietário residia em Campo Ere, Estado de Santa Catarina (SC).

Mattos recolheu o veículo para dentro de sua casa nesta manhã (24), momento em que os policiais os abordaram e prenderam. O suspeito confessou o crime e ainda disse que o Gol verde que estava em sua garagem, também se tratava de um carro clonado.

No decorrer das diligências, a equipe chegou até Jhonatan Sansão, 26 anos, na Vila Sandra, localizada na Cidade Industrial de Curitiba (CIC), que estava em posse de outros dois veículos que passariam por adulteração de chassi – um Uno e um Voyage, ambos brancos.

De acordo com o delegado-titular da especializada, Wagner Holtz, há suspeitas de Sansão ser funcionário de Mattos na fábrica de placas clandestinas. “A equipe se deslocou até a fábrica, no bairro Sítio Cercado, onde foram apreendidos os demais equipamentos para a fabricação de placas e tarjetas, além das ferramentas utilizadas para adulterar vidros, selos e chassis de veículos roubados e cerca de 500 latas que após confeccionadas colocariam mais de 250 veículos irregulares em circulação”, afirmou Holtz.

Mattos é suspeito de receptar e adulterar aproximadamente 20 veículos por mês, os quais eram vendidos para diversos fins. A dupla responderá por receptação e adulteração de sinal de veículo automotor.