Da Redação

presosSuspeito foi preso pela morte da criança e a mãe dele por ter um mandado de prisão (Foto: Antônio Nascimento – Banda B)

Um dos envolvidos na morte do menino Cauê da Silva da Cruz, de 7 anos, na Vila Torres, no bairro Prado Velho, em Curitiba, já está preso. A Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoal (DHPP) confirmou a prisão e disse que a apresentação do suspeito acontece nesta tarde às 15 horas na delegacia. O crime aconteceu na tarde deste domingo (3), no momento em que voltava com a mãe de um supermercado. Vanderlei da Rosa Pinheiro, 20 anos, foi preso em São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba, durante uma abordagem realizada pelos policiais do 17º Batalhão. Pinheiro foi reconhecido pelas testemunhas como um dos autores do crime.

De acordo com o delegado da DHPP, Fabio Amaro, a mãe desse suspeito também foi detida por estar com um mandado de prisão em aberto. Ela responde por tortura. Segundo as investigações, no dia do crime, Pinheiro estava acompanhado de um adolescente de 16 anos, e ambos desceram de um Renault Prata, com a posse de pistolas, atirando em direção a familiares da criança. Durante os disparos, Cauê acabou atingido por um tiro fatal no pescoço. Sua mãe recebeu um disparo no pé e uma outra criança, uma menina de 10 anos, acabou também sendo atingida na região da perna e segue hospitalizada.

Investigações apuraram ainda, que a motivação do crime seria um empréstimo que a família contraiu dias antes com um morador da região onde moravam. Como a dívida não foi paga, o suspeito passou a ameaçá-los a ponto de terem se mudado do local. Mesmo assim, as ameaças continuaram e as investigações estão indicando, que os acusados teriam agido sob mando de um suposto “agiota”.

Durante interrogatório, Pinheiro negou ter participação no crime, mas a polícia tem provas de seu envolvimento. Segundo o delegado Fábio Amaro, o suspeito já era conhecido no meio policial. “No celular dele tinham mensagens que o ligavam ao crime. Ele já era velho conhecido nosso, inclusive esteve preso por homicídio e respondia pelo crime em liberdade, agora seguimos nas investigações visando obter a prisão do suposto mandante do crime e do menor que teria também atirado nas vítimas. Para nós se não tivesse sido colocado em liberdade o garoto não teria cometido o crime”, finalizou.

A mãe de Pinheiro, Maria de Lurdes Nascimento da Rosa, 45 anos, também foi presa pelos policiais da DHPP em razão da existência de um mandado de prisão contra ela, por tortura.

Crime

As investigações apontaram que o crime aconteceu por brigas entre gangues rivais: ‘Gangue de Baixo’ e a de ‘Cima’. O delegado Fabio Amaro explicou que o crime foi motivado por dívidas. “A família morava onde fica a ‘Gangue de Baixo’ e teria se mudado para o local da ‘Gangue de Cima’ recentemente. Eles tinham saído de lá por alguma dívida que tinham adquirido e acreditamos que essa seja a motivação, além da mudança de lado. O menino e a família não teriam envolvimento com o tráfico, mas os marginais foram para matá-lo, assim como a mãe dele também”.

Notícias relacionadas:
Menino de sete anos morre baleado no Prado Velho em suposta briga de gangues

Suspeitos de matar menino são identificados e delegado acredita que dívida da família foi motivação