Foto: Arnaldo Alves / ANPr.

 

Diante da demissão de Wagner Mesquita da Secretaria de Segurança Pública e Administração Penitenciária do Paraná (Sesp), o governador Beto Richa comentou nesta segunda-feira (5) a espera de 13 horas pelo recolhimento do corpo de Carlos Ramon Dias Dell Antonio por parte do Instituto Médico Legal (IML). Richa não negou que esse caso pesou na decisão de troca, mas garantiu que vários outros motivos colaboraram para a mudança de comando na pasta.

“Lógico que aquilo me irritou bastante, é um descaso e uma situação até desumana. Um corpo deixado por doze horas, é inaceitável essa situação. Lógico, a culpa não é do secretário, existem os órgãos responsáveis por isso, mas faltou sensibilidade. Se o rabecão estava com problema e estava fora de serviço, arrumasse outro, uma ambulância, um Samu. Faltou sensibilidade e eu não aceito esse tipo de coisa”, afirmou o governador em entrevista coletiva.

O delegado Júlio Reis foi escolhido como novo secretário. Reis ocupava a o cargo de delegado-chefe da Polícia Civil do Paraná. Segundo Richa, a troca de visa mais unidade nas ações de segurança pública e nas forças policiais. “Isso é necessário para que as coisas aconteçam de forma mais rápida e em perfeita harmonia, para que tenhamos mais efetividade no combate à criminalidade no Estado”, afirmou.

O anúncio da troca foi feita após reunião de Richa com Wagner Mesquita e pouco antes do evento de entrega de novas viaturas à Polícia Militar e Polícia Científica, que atenderão ao IML.

Ao todo, foram entregues um helicóptero e 50 novas viaturas para reforçar a frota da Segurança Pública. São 40 veículos para a Polícia Militar e dez para a Polícia Científica, que vão para o Instituto Médico Legal (IML). A aeronave será empregada em operações aéreas da Polícia Militar.

Notícias Relacionadas: