Foto: Flávia Barros – Banda B

 

Suspeita por diversos roubos a residências em Curitiba, uma quadrilha foi presa no início desta semana pela equipe da Delegacia de Furtos e Roubos (DFR). Os quatro integrantes foram presos em diferentes bairros de Curitiba. Eles são suspeitos de pelo menos quatro roubos a residências.

As primeiras prisões aconteceram na tarde de segunda-feira (22), em uma residência localizada no bairro Cidade Industrial de Curitiba (CIC). Já no dia seguinte, terça-feira (23), a equipe localizou outro integrante da quadrilha em uma via pública, nas imediações do bairro Hauer. O último envolvido foi preso no Litoral do Estado, em Matinhos, no bairro Tabuleiro.

Conforme apurado durante as investigações, a quadrilha é responsável por uma série de roubos ocorridos desde o ano de 2016, nas regiões do bairro Umbará e Campo Comprido. “Há ao menos quatro roubos a residências, que apontam os membros da quadrilha como principais suspeitos dos crimes”, informa o delegado-operacional da DFR, André Gustavo Feltes.

Além desses crimes que recaem suspeitas sobre a quadrilha, há ainda um roubo a residência, ocorrido no município de Campina Grande do Sul, no dia 01 de dezembro de 2017, que apontam três dos quatro presos como principais suspeitos da prática criminosa.

“Na ocasião, dois deles invadiram a casa, portando arma de fogo, e roubaram diversos pertences pessoais das vítimas, além de um veículo HB20 branco, enquanto outro suspeito dava cobertura do lado de fora, em um veículo Voyage de cor preta”, conta o delegado.

Feltes ressalta ainda que, a polícia chegou até a quadrilha por meio de um intenso trabalho de inteligência realizado pela DFR, entretanto, as investigações ainda estão em andamento, pois tem o objetivo de identificar se havia outras pessoas envolvidas com os crimes praticados pelo bando.
“Descobrimos que além de roubos a residências, os suspeitos podem ter envolvimento em diversos roubos a veículos, ocorridos na Capital.

creditamos que com a divulgação de imagem dos suspeitos, novas vítimas irão procurar a especializada para reconhecê-los e assim poderemos esclarecer outros crimes”, finaliza Feltes.

Dos quatro presos, três já possuíam antecedentes criminais por diversos crimes, inclusive crimes contra a vida, um deles inclusive contava com um mandado de prisão preventiva em aberto, por suspeita de envolvimento em um homicídio ocorrido em 2017.

Todos responderão pelo crime de roubo e associação criminosa. Se condenados, a pena pode chegar até 20 anos de prisão. Os suspeitos encontram-se presos no Setor de Carceragem Temporária (Secat) da DFR, onde aguardam à disposição da Justiça.