O quarto suspeito da morte da dentista Cinthya Magaly Moutinho de Souza, de 46 anos, foi preso na madrugada de hoje (29). Thiago de Jesus Pereira, de 25 anos, que estava foragido, foi encontrado em uma casa do município de Itapevi, na Grande São Paulo, depois de uma denúncia anônima. Segundo a Secretaria de Segurança Pública, ele e o restante da quadrilha – mais três homens presos no sábado (27) – invadiram o consultório, na quinta-feira (25), em São Bernardo do Campo, e, após constatarem que na conta da dentista havia apenas R$ 30, atearam fogo no corpo dela.

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública, o suspeito negou o crime, mas acabou confessando a participação no assalto a uma outra clínica dentária, no dia 12 de abril, na capital paulista. Thiago e o restante da quadrilha – Jonathan Cassiano Araújo, de 21 anos, Vitor Miguel Souza Silva, de 25 anos, e um adolescente de 17 anos – são suspeitos de terem cometido outros assaltos a clínicas dentárias. Eles costumavam agir sempre da mesma maneira: iam antes ao local para verificar a segurança e se passavam por clientes, para depois anunciar o assalto.

Vítimas de crimes de latrocínio (roubo seguido de morte) como o de Cinthya têm crescido em São Paulo. O número de casos em todo o estado passou de 85, entre os meses de janeiro e março do ano passado, para 101 no mesmo período em 2013. Só na capital paulista, a quantidade de vítimas quase dobrou, ao passar de 22 para 40 casos.

Entre janeiro e março deste ano, os homicídios dolosos (com intenção de matar) também cresceram 18% na capital paulista em comparação ao mesmo período do ano passado. Foram registrados 305 casos de homicídios dolosos no primeiro trimestre deste ano.