Denise Mello, Bruno Henrique e Juliano Cunha

gogola

Policial Gogola morreu nesta quinta-feira

De forma cruel, o detento Dionatan Mendes Quadros ordenou que o superintendente da Delegacia de Campo Largo, Marcos Antonio Gogola, de 45 anos, fosse assassinado, mesmo sem o policial esboçar nenhum reação. A ordem foi dada na saída do consultório odontológico, onde Dionatan estava sendo atendido na manhã desta quinta-feira (5).

Segundo informações repassadas pela Polícia Civil durante entrevista coletiva na noite desta quinta-feira, Gogola estava na porta do consultório enquanto Dionatan era atendido pelo dentista na cadeira do consultório. De repente, três homens renderam Gogola e o obrigaram a entrar no consultório onde, além de Dionatan, estavam o dentista e um agente carcerário. Em questão de segundos, o detento foi libertado. Eles gritavam: “perdeu, perdeu…”.

Antes de sair, Dionatan ordenou que um dos bandidos matasse Gogola. “Mata o Gogola”, disse ele. O policial, sem esboçar nenhuma reação, foi baleado na testa e morreu na hora. O agente também foi baleado nas costas e está interando.

Imagens de câmera de segurança mostram o momento em que os homens chegam e a saída dos quatro do consultório. A ação durou 57 segundos.

Prisão

Em uma grande operação na noite desta quinta-feira, cerca de 60 policiais conseguiram prender Dionatan e mais três suspeitos, incluindo a mãe e o pai do detento, detidos em flagrante. A mãe teria sido a mentora do resgate do filho. O pai já havia sido preso duas vezes.  Um quinto suspeito foi morto na troca de tiros com policiais. Dionatan levou três tiros no braço.

Ele está internado no Hospital Nossa Senhora do Rocio, em Campo Largo. Policiais do COPE – Centro de Operações Policiais Especiais estiveram no Hospital, por volta das 22h35 acompanhando o atendimento de Dionatan. Ele passou por cirurgia após levar três tiros, que destruíram seu antebraço direito, ombro esquerdo e seu fêmur esquerdo. Ele foi recapturado durante o tiroteio que ocorreu no bairro Cristo Rey, em Campo Largo.

Pedro Thiago Kochinski Ferreira de 20 anos, foi morto trocando tiros com a polícia. De acordo com a delegada Gisele Durigan, responsável pela delegacia de Campo Largo, Pedro é o autor dos disparos que mataram o policial.

Quatro armas foram apreendidas com os criminosos, inclusive a pistola do policial morto. O sepultamento do Gogola está marcado para as 10h00 horas desta manhã no Cemitério do Água Verde. Gogola era casado e deixa três filhos. Formado em Direito, seu sonho era passar em um concurso para delegado da Polícia Civil.