Armas apreendidas no patrulhamento da RONE – Foto: PM

Um policial militar do 22º Batalhão da PM foi preso em flagrante dentro de um veículo negociando armas com outras três pessoas, no bairro Cajuru, em Curitiba. O flagrante foi feito na noite desta quinta-feira (25), durante um patrulhamento da Ronda Ostensiva de Natureza Especial (RONE), por volta da meia-noite. Um dos ocupantes, que é menor, disse que estavam no carro negociando com o policial um fuzil e uma escopeta, que seria do próprio soldado, segundo disse o adolescente. Todos foram presos em flagrante.

A abordagem aconteceu na Rua Ayrton Turra, no Jardim Mercúrio . Os quatro estavam em um veículo Fox. Os policias da Rone encontraram no banco de trás do veículo um fuzil calibre 762 do Exército Brasileiro e uma escopeta calibre 12.

Segundo a PM, na cintura cintura de um dos homens estava uma pistola calibre .40, com capacidade de 16 tiros. O policial de 30 anos foi presto em flagrante junto com os outros dois ocupantes do carro. Eles foram encaminhados para a Central de Flagrantes. O menor foi apreendido e levado para a Delegacia do Adolescente.

A Banda B procurou a assessoria da Polícia Militar que enviou a seguinte nota:

O Comando do 22º Batalhão da PM informa que o policial militar preso no início da madrugada desta sexta-feira (26/01) no bairro Cajuru foi afastado de suas funções e encontra-se detido à disposição da Justiça em uma unidade da corporação. Paralelamente a isso um procedimento interno será aberto para apurar o caso na esfera administrativa. O policial militar ingressou na corporação em 2012.

Na ocorrência foram apreendidos uma pistola .40, um colete balístico, um fuzil calibre 76, uma espingarda calibre 12 e um veículo. Foram presos o policial militar, mais dois adultos (um homem de 35 anos e uma jovem de 18) e apreendido um adolescente de 17 anos. Eles foram encaminhados à Central de Flagrantes e à Delegacia do Adolescente, respectivamente.

A PM não compactua com desvios de conduta de seus integrantes e ressalta que a Corporação, para qualquer situação envolvendo policiais, busca a elucidação de todos os fatos, e, se restar comprovada responsabilidade, os instrumentos adequados de saneamento são adotados, na forma legal, sendo respeitados os direitos ao devido processo legal, à ampla defesa e ao contraditório, para qualquer militar estadual.