Da Redação

Paola e Napoleão (Foto: Juliano Cunha - Banda B)

Paola e Napoleão (Foto: Juliano Cunha – Banda B)

O policial civil que matou a namorada na última semana e tentou suicídio em seguida, morreu no final da tarde desta quinta-feira (1°) no Hospital Cajuru. Napoleão Seki Júnior, de 36 anos, chegou a passar por uma cirurgia, mas não resistiu. De acordo com a assessoria de imprensa do hospital, a morte aconteceu por volta das 18h40.

Segundo familiares da vítima, a estudante Paola Natália Cardoso, de 23 anos, o casal se conheceu depois que a mãe dela foi assaltada. Paola teria ido a uma das unidades da Polícia Civil para buscar socorro quando se deparou com Napoleão. A partir de então, eles começaram a se relacionar.

Amigos da jovem, que não quiseram se identificar, informaram que o namoro dos dois, que teve início há cerca de um ano, era bastante conturbado. Eles brigavam muito mas, apesar disso, ela nunca se mostrou triste com o relacionamento.

Paola tinha um filho de um ano com um antigo companheiro e havia conseguido transferir o curso de Engenharia Química, que cursava no Rio Grande do Sul, para a Universidade Federal do Paraná (UFPR). De acordo com familiares e amigos, ela era uma pessoa que vivia alegre e feliz.

O crime

No início da tarde do último dia 24, após uma discussão, Napoleão derrubou Paola no chão e a algemou. Em seguida, a chutou e atirou quatro vezes contra ela no meio da rua. O crime aconteceu no Alto da XV, em Curitiba. O criminoso trabalhava no Núcleo Jurídico da Secretaria de Segurança do Paraná.

Notícias relacionadas:

Apesar de brigas, delegado descarta erro em avaliação de policial que matou namorada

Jovem morta por policial civil no Alto da XV é sepultada; acusado deve ficar cego de um olho

Policial civil algema e mata namorada no Alto da XV; ele tentou se suicidar em seguida