Por Luiz Henrique de Oliveira e Bruno Henrique

Os quatro policiais militares acusados de terem torturado um jovem de 19 anos que teria praticado um assalto, no dia 3 de março de 2013, um pouco depois da instalação da Unidade do Paraná Seguro do bairro Uberaba, em Curitiba, foram absolvidos em julgamento realizado no último dia 7 pela Vara de Auditória Militar. A denúncia dava conta que o jovem, que possuía uma deficiência física, havia desaparecido por cinco horas e sido torturado pela equipe policial, porém a Justiça entendeu de outra forma.

De acordo com o advogado Eduardo Miléo, que representa os policiais militares, o jovem mentiu. “Esta sentença dada pela vara comprova a inocência dos meus clientes. Sempre dissemos isto, mesmo com o próprio comando da Polícia militar (PM) duvidando. Em nenhum momento nossos clientes agiram desta forma que foi exposta à imprensa. O rapaz diz que foi torturado, mas era uma mentira, porque o próprio laudo de lesão corporal mostrou que não se provou nada cientificamente”, afirmou.

O advogado ressaltou que o próximo passo para os policiais é serem julgados pelo comando da PM e a corregedoria. “Acredito que também serão absolvidos”, resumiu.

A denúncia foi dada pelo Jornal Gazeta do Povo e passou a ser investigado pela Comissão de Direitos Humanos da seção Paraná da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).