Por Elizangela Jubanski e Juliano Cunha

matou-policial28082013

Ele confessou ter atirado duas vezes contra o policial. Foto: JC/Banda B

O suspeito apontado como o autor dos disparos que matou policial militar João Edgar Fernandes, 37 anos, durante um assalto a uma autopeça no bairro Umbará, em Curitiba, foi preso na noite desta terça-feira (27). Weverton Moreira Vital, conhecido como Chokito, foi encontrado depois que policiais seguiram a namorada dele até uma chácara na região metropolitana de Curitiba.

O crime aconteceu no último dia 17 e, desde então, Chokito era procurado pela polícia. Ele foi preso depois que policiais do Serviço Reservado (P2) seguiram a namorada do acusado até uma chácara abandonada no bairro Roça Velha, em São José dos Pinhais. A mulher levava alimentos para o foragido, que não teve tempo de fugir. O sargento, que realizou a prisão, contou que no esconderijo do acusado tinha um sistema de alarme especial.

“A gente recebeu informação que a namorada estava indo levar roupas e comidas para ele. Então, seguimos a garota até a entrada da chácara. Ele já conhecia este local e já usou em outras situações também para se esconder. Ele montou um sistema de segurança no portão que tem um sino. Se ele ouvisse o sino, corria para o mato e fugia. Mas, hoje, ele estava esperando a namorada chegar, então, não correu”, disse o sargento.

Ainda, de acordo com o sargento da P2, o acusado se entregou, não reagiu, e confessou que atirou no policial. “Ele disse que não sabia que a vítima era policial. Não sabemos se é verdade, mas ele disse isso. A arma do crime não foi encontrada”, contou.

Outro bandido, que estava com Chokito durante o assalto, identificado como Leandro Marques Barrada, 25 anos, já está preso. Eles foram levados a Delegacia de Furtos e Roubos.

Suspeita

O pai de Leandro, Advaldo Aparecido Barrada, de 48 anos, foi executado na frente da própria família na casa em que morava e que fica anexo ao Bar do Beto, o qual ele é proprietário, no bairro Cidade Jardim, em São José dos Pinhais. Investigadores que acompanham o caso suspeitam que o atirador tenha sido Weverson, o Chokito, já que, assim que foi preso, Leandro teria delatado o nome do comparsa.

Policial

O policial era soldado da 4ª Companhia do 13º Batalhão da Polícia Militar (BPM) e há 10 anos fazia parte da Polícia Militar. Ele tinha dois filhos e estava no dia de folga quando foi assassinado. O policial levou um tiro de um revólver calibre 38 de uma dupla de bandidos que anunciou um assalto antes do disparo.

A vítima estava dentro de uma autopeça e teria esboçado reação de sacar uma pistola que levava na cintura. Ele morreu na hora. No dia seguinte ao crime a polícia prendeu Leandro, que estaria com o carro usado na fuga e é acusado de participar do crime.

Notícias Relacionadas:

Policial militar leva tiro na cabeça durante assalto a autopeças ao colocar mão na cintura

Polícia identifica trio e prende um dos suspeitos de matar PM em assalto no Umbará

Pai de jovem acusado de envolvimento na morte de PM é executado na frente da família