Da Redação com Polícia Civil

maconaria1

Envolvidos no esquema. (Foto: Juliano Cunha – Banda B)

Policiais civis da Delegacia de Estelionato e Desvio de Cargas (DEDC) deflagraram, na manhã desta quarta-feira (21), a Operação Castelo de Areia, em Curitiba e Campo Largo, na região metropolitana. A Grande Loja Mista do Rito Memphis-Misraim, um luxuoso templo maçônico em forma de castelo, localizada em Campo Largo, era a sede de um grupo de maçons irregulares, não reconhecidos pela Maçonaria.

castelo-maconaria-210514-bandab

Um luxuoso templo maçônico em forma de castelo era a sede de um grupo de maçons irregulares. (Foto: Divulgação/ Polícia Civil)

Esse grupo usava programas de televisão e sites para anunciar a associação à rede, prometendo lucros aos participantes, que inicialmente teriam que contribuir para poder entrar e, na sequência, eram lesados, esquema aos moldes de uma pirâmide. Estima-se que eles deram um prejuízo em torno de R$ 4 milhões. Foram presas sete pessoas e cumpridos onze mandados de busca e apreensão.

Segundo o delegado da DEDC, Matheus Laiola, as reuniões de uma “pseudo Maçonaria” eram feitas em um luxuoso templo no formato de um castelo. O casal Samuel Mineiro da Trindade, de 34 anos, e Bianca Moreira da Silva, de 28, eram responsáveis pela Loja Maçônica. Eles e outras seis pessoas, também presas na manhã desta quarta, participavam da organização criminosa.

Através do programa Maçonaria da TV, veiculado em um canal de televisão e no site www.grandeloja.org.br, as vítimas eram convidadas a investir em um negócio que lhe dariam ótimo rendimento. “Era utilizada a estrutura da suposta Maçonaria e dos membros como pano de fundo para tentar dar credibilidade aos negócios”, disse Laiola.

maconaria

Entre os presos está o casal responsável pela Loja Maçônica. (Foto: Juliano Cunha – Banda B)

As possibilidades de investimentos estavam nos negócios da Grande Loja Mista do Rito de Memphis-Misraim, como na venda de material de iniciação, apostilas que ensinam os rituais, CDs com mensagens e programa na televisão que permite angariar novos adeptos, dentre outros. “Os membros que se apresentavam às vítimas estavam sempre com veículos de luxo, ostentando riqueza”, lembrou o delegado.

Trindade e Bianca apresentavam o programa na televisão vestidos de maneira a dar um ar de seriedade e ao mesmo tempo de ostentação. Eles posavam para fotos que seriam postadas no site vestidos com roupas luxuosas e ao lado de carros valiosos.

Depois de conseguirem a vantagem ilícita, eles começavam a se esquivar do pagamento, momento em que a vítima percebia ter caído em um golpe.

“Foi montada toda uma estrutura criminosa, com divisão de tarefas de cada indivíduo, para, juntos, lesarem o patrimônio alheio. Representamos pelas prisões preventivas de todos os envolvidos e diversos mandados de busca e apreensão, tendo o Ministério Público concordado e o Judiciário aceito integralmente”, disse Laiola.

“Conseguimos apreender diversos documentos durante o cumprimento dos mandados comprovando o que estávamos investigando. Apreendemos, inclusive, uma arma de fogo com um dos investigados, que acabou sendo preso em flagrante por posse ilegal de arma de fogo. Esta é mais uma Operação da DEDC em que acabamos desmantelando uma outra Quadrilha que agia no Paraná”, explicou o delegado-titular da DEDC, Marcelo Lemos de Oliveira.

Além de Trindade e Bianca, foram presos preventivamente José Geraldo Ferreira, 55 anos, Marcelo Lopes Reinecken, 33 anos, Edson da Cunha Souza, 52 anos, Paulo Henrique Costa, 49 anos, e Eloir Antônio Padilha, 52 anos.

Participaram da operação 50 policiais civis lotados na DEDC, Delegacia de Furtos e Roubos (DFR), Delegacia de Furtos e Roubos de Veículos (DFRV), Centro de Operações Policiais Especiais (Cope), Núcleo de Repressão aos Crimes Econômicos (Nurce) e Tático Integrado de Grupos de Repressão Especial (Tigre).

Assista ao momento da abordagem no player abaixo: