Andrey foi morto no fim do ano passado (Foto: Reprodução Facebook)

 

Uma equipe de investigação da Delegacia de Pinhais prendeu um rapaz, de 27 anos, suspeito de envolvimento no crime crime de latrocínio, que vitimou Andrey Melchiori Rauth, de 35 anos, ocorrido em novembro de 2017. A prisão aconteceu no bairro Weissópolis, na tarde de quinta-feira (01).

Segundo informações policiais, o rapaz é o principal suspeito de ter cometido o crime, que ocorreu na noite do dia 21 de novembro de 2017, em frente a uma farmácia, também no bairro Weissópolis. Na ocasião, a vítima havia acabado de sair do estabelecimento, onde havia parado para comprar fraldas e um pacote de leite para o filho recém-nascido.

Suspeito foi preso em Pinhais (Foto: Divulgação)

Ao sair do local, Rauth foi abordado pelo suspeito e mais um homem – ainda não identificado pela polícia – que anunciaram um assalto em posse de uma arma de fogo. Rauth tentou correr para dentro da farmácia, mas foi baleado pela dupla. Momento em que os suspeitos roubaram o seu celular e o veículo da vítima, um Pegeout cinza.

A dupla fugiu do local utilizando o veículo roubado, porém bateu em uma mureta poucos metros a frente. Circunstância em que abandonaram o carro no local e fugiram a pé.

O delegado responsável pelas investigações, Haroldo Luiz Vergueiro Davison, afirma que foi possível chegar até a identificação do suspeito, por meio de retrato falado. “Pouco tempo antes da prática do crime, ele entrou na farmácia, comprou um refrigerante e ficou um tempo circulando por ali. Muitas pessoas conseguiram ver bem seu rosto e nos auxiliar a compôr o retrato. Já seu comparsa, não ficou muito exposto”, informa.

O delegado ressalta que as investigações prosseguem, de forma intensa e cautelosa, com o intuito de identificar e prender o outro homem envolvido na ação criminosa. “Já possuímos algumas pistas, certamente chegaremos até ele”, finaliza o delegado.

O suspeito, preso na ação, responderá por latrocínio e encontra-se detido na Delegacia de Pinhais, onde permanece à disposição da Justiça. Se condenado, poderá pegar até 30 anos de prisão.