Reprodução RPC TV
Bernadete foi morta com um tiro na nuca

A polícia conseguiu esclarecer o assassinato da empresária Bernadete Dolores Dulla Zella, de 43 anos, uma das donas da Confeitaria Maggiore, no bairro Mercês. Logo mais, às 14h30 horas, o delegado Amarildo Antunes, da Delegacia de Furtos e Roubos, deve dar detalhes do caso. Em entrevista exclusiva à Banda B na manhã desta quarta-feira (20), Antunes disse que duas pessoas estão presas e que as motivações do crime são surpreendentes. “O crime foi solucionado e a motivação vai surpreender as pessoas”, afirmou.

A empresária foi encontrada morta com um tiro na nuca na manhã de segunda-feira (18) em uma estrada rural da região metropolitana. Ela havia sido seqüestrada na tarde anterior enquanto trabalhava na confeitaria. Imagens das câmeras de segurança do estabelecimento mostram que dois homens, como os rostos cobertos, entraram na parte interna da confeitaria, renderam Bernadete e a levaram seqüestrada.

O delegado informou que o crime tem algumas características de latrocínio (roubo seguido de morte). “Tem algumas características de latrocínio, mas com detalhes diferentes que envolvem outros fatores. Não vou adiantar nada porque vamos dar todas as informações hoje à tarde”, disse Antunes à Banda B.

Segundo o delegado, policiais da Furtos e Roubos fizeram diligências em três cidades do norte do estado, o que ajudou a esclarecer o crime. “Os investigadores foram para as cidades de Piraí do Sul, Wenceslau Braz e Siqueira Campos. Um trabalho incansável que resultou na prisão de duas pessoas e o esclarecimento do crime”, completou, sem dar mais detalhes.

O corpo da empresária foi encontrado com anéis e correntes de ouro. Uma das hipóteses levantadas era de que o crime poderia ter sido passional. Há três anos, Bernadete já havia sido seqüestrada, mas não chegou a registrar boletim de ocorrência. Ela era divorciada e tinha uma filha de 6 anos.