Da Redação com Polícia Civil

maconha

Maconha nobre tinha alto valor de mercado (Foto: Reprodução Youtube)

Uma plantação de aproximadamente 300 pés de maconha orgânica foi descoberta por policiais da Delegacia de Campo Largo, região metropolitana de Curitiba, na última sexta-feira (2). O quilo da droga, que era cultivada em uma residência localizada no bairro Cercadinho, está avaliado em aproximadamente R$ 50 mil no mercado ilícito, por ser uma produção artesanal. Já o equipamento apreendido no local, usado para o cultivo, foi avaliado em R$ 16 mil. Adailton Ferreira, de 64 anos, morador da residência, foi preso por tráfico de drogas.

De acordo com a polícia, as investigações começaram há um mês, quando os policiais descobriram que traficantes estariam utilizando locais mais distantes para realizar o cultivo de pés de maconha. As investigações apontavam que nesta residência, localizada em Campo Largo, estaria toda a plantação ilegal da droga. Ao chegar no local, uma casa de dois cômodos alugada pelos suspeitos, a polícia encontrou os 300 pés da planta, além de diversos objetos utilizados para o cultivo de maconha. Também foram apreendidos adubos, luzes, ventiladores, aquecedores e produtos próprios para o cultivo, além de certa quantidade da droga já triturada.

“Segundo o que nós apuramos até o momento, trata-se de uma quadrilha especializada no tráfico de um tipo de maconha de alto valor de revenda no mercado ilegal, decorrente do grande teor de THC (tetra-hidrocanabinol) contido no entorpecente. Para tanto a quadrilha recruta pessoas mais humildes para realizarem o cultivo dentro de residências mais afastadas, financiando toda a estrutura necessária, indo desde a aparelhagem, adubos e a própria conta de energia elétrica, que por sinal acaba sendo muito elevada”, afirmou o delegado chefe da Delegacia de Campo Largo, Cassiano Aufiero.

Aufiero também comentou que outras duas pessoas da quadrilha foram identificadas e terão seus mandados de prisão solicitados. De acordo com o delegado, as investigações continuam para prender outros comparsas de Ferreira e averiguar quem são os donos de alguns veículos de alto luxo que passavam mensalmente no local. “Sabemos que a maconha também é produzida por esta quadrilha em outras cidades da Região Metropolitana, sendo que a mesma era vendida para empresários e outras pessoas de alto poder aquisitivo em toda região de Curitiba”, completou Aufiero.

Ferreira foi preso por tráfico de drogas e associação para o tráfico e encaminhado ao Setor de Carceragem Temporária da Delegacia de Campo Largo.

Assista aos vídeos de como a maconha era armazenada na residência: