Redação com Sesp

Ação do  Instituto de Pesos e Medidas do Paraná (Ipem-PR) interditou bombas de combustíveis instaladas em diversos postos de Curitiba e da Região Metropolitana – Foto de arquivo IPEM PR

Mais de 50 policiais civis da Delegacia de Crimes contra a Economia e Proteção ao Consumidor (Delcon) e do Centro de Operações Policiais Especiais (Cope), unidade de elite da Polícia Civil do Paraná, estão nas ruas desde as 6h da madrugada desta quarta-feira (29) para cumprir 14 mandados judiciais no âmbito da segunda etapa da operação “Pane Seca”.

A ação acontece em Curitiba, na Região Metropolitana e na cidade de Guaratuba, no Litoral do Paraná. São dois mandados de prisão temporária, oito de busca e apreensão e quatro de condução coercitiva – quando a pessoa é levada até a delegacia para prestar depoimento.

Os alvos são suspeitos de envolvimento direta ou indiretamente com a fraude em abastecimento de combustível descoberto na primeira etapa da “Pane Seca” – operação deflagrada no fim de semana passado pelo Departamento de Inteligência do Estado do Paraná (Diep) quando seis pessoas foram detidas. Duas pessoas se apresentaram à polícia na noite de segunda-feira (26) e outras duas estão foragidas.

A fraude consistia na instalação de dispositivos nas bombas, os quais são responsáveis por interromper o fluxo de combustível efetivamente expelido pelas bombas, sem que haja interrupção na medição da quantidade de litros a ser paga pelo consumidor.

Assim, a quantia de combustível de fato inserido nos tanques dos veículos de consumidores seria inferior (de 6% a 8%) ao registrado nas bombas, fazendo com que os clientes paguem valores a maior em cada abastecimento. Estes dispositivos, segundo a investigação, poderiam ser ativados remotamente – o que dificultaria a atuação dos órgãos fiscalizadores.

Na tarde desta quinta-feira (30), o secretário da Segurança Pública do Paraná, Wagner Mesquita, vai conceder uma entrevista coletiva na sede da Sesp para dar mais detalhes da segunda etapa da operação “Pane Seca”.