Bruno Henrique – Banda B
Investigador Henrique chega com material recolhido

A Delegacia de Homicídios de Curitiba (DH) cumpriu, nesta terça-feira (23), mandado de busca e apreensão em um posto de combustível na Rua Fagundes Varela, no bairro Jardim Social, em Curitiba. Foi neste posto que, no final do mês passado, o jovem Everton Justino dos Santos morreu baleado. Foram apreendidos no escritório anexo ao posto 10 discos rígidos e um revólver calibre 38, que pode ter sido usado no crime. Como a arma tinha registro, ninguém foi preso durante a ação.

O delegado Marcelo Lemos de Oliveira, da DH, descreveu à Banda B o que motivou a ação policial na manhã de hoje. “Nós conseguimos algumas imagens das câmeras de segurança, mas sem o momento em que o rapaz foi morto. Por isto, pedimos à Justiça um mandado de busca e apreensão, até pelo fato dos proprietários não estarem colaborando com a investigação. Um exame de confronto de balística pode até apontar se esta arma foi usada no dia do crime”, destacou o delegado.

O crime

O crime aconteceu na noite de sábado, 30 de março, no pátio do posto de combustível. Amigos da vítima afirmam que o responsável pelos disparos seria um segurança do local. Quando ouvido, dois dias depois do crime, o responsável pelo posto chegou a discutir com o delegado Rubens Recalcatti, chefe da DH.

Arquivo pessoal
Éverton teria discutido com um segurança do posto

“Ele disse que não tem a obrigação de saber o que acontece em seu posto e falou que as imagens das câmeras de segurança não foram gravadas. Coloquei este rapaz no lugar dele, porque alguém morreu ali e o proprietário também tem responsabilidade sobre isto”, afirmou Recalcatti no dia do depoimento.

Amigos da vítima realizaram protestos depois do crime querendo justiça no caso. Já Recalcatti, descreveu a vítima, dois dias depois do crime, como uma pessoa ‘encrenqueira’. “Ele seria conhecido ali na região. Na madrugada estava no pátio e entrou na loja de conveniências, onde teria acontecido uma discussão. Dizem que um segurança do posto atirou, mas as testemunhas ouvidas, embora tenham visto o crime, não sabem dizer quem matou este rapaz”, disse.