Por Luiz Henrique de Oliveira e Elizangela Jubanski

desaparecida

Giovana desapareceu na segunda-feira (23) (Foto: Reprodução Facebook)

A Delegacia de Vigilâncias e Capturas (DVC) está empenhada nas investigações do desaparecimento da estudante Giovana Martins do Carmo, de 16 anos, relatado em primeira mão pela Banda B na tarde de quarta-feira (25). A menina sumiu quando ia para a escola na última segunda-feira (23) e pode ter sido vista em São Paulo. Esta informação veio à tona depois que uma leitora do Portal da Banda B, moradora na capital paulista, viu a reportagem e ligou à emissora.

A Banda B imediatamente passou a informação para a família de Giovana na manhã de hoje. Os policiais e parentes da menina na capital paulista buscam informações no local e também tentam recolher imagens de câmeras de segurança do hospital. Investigadores da DVC confirmaram a veracidade da informação conseguida pela Banda B, mas não deram mais detalhes para não atrapalhar as investigações.

Além disto, os policiais confirmaram que a movimentação na conta do celular da garota, para verificar possíveis ligações feitas por ela, está sendo monitorada.

O desaparecimento

A estudante Giovana Martins do Carmo, de 16 anos, desapareceu a caminho do Colégio Bom Jesus, no Centro de Curitiba. A informação é de que a menina ia para a escola de ônibus todos os dias.

A avó de Giovana, Eliane do Carmo, contou à Banda B ontem que a família não tem pistas sobre o desaparecimento. “Ela não tinha namorado, nem nada. Nós não sabemos o que aconteceu e estamos desesperados.Nós ligamos para o celular dela, mas ninguém atende”, afirmou.

Eliane descreveu que a família da menina é de Paranaguá, mas Giovana mora em Curitiba com a mãe para estudar. “Ela está cursando o terceirão para fazer vestibular aqui na capital e o pai dela vive em São Paulo. Ninguém sabe aonde a Giovana está”, completou.

Quem tiver informações sobre o caso pode entrar em contato com a DVC pelo telefone: 38153000.

Notícia Relacionada:

Aluna de colégio particular desaparece a caminho da escola; família não tem pistas