Por Elizangela Jubanski e Antônio Nascimento

O dono de um escritório de contabilidade que foi arrombado no bairro Mercês, em Curitiba, permaneceu quatro horas em frente ao 3º Distrito Policial, na manhã desta segunda-feira (22). Ao lado de policiais militares, a vítima tentava registrar um Boletim de Ocorrência (BO), em flagrante, já que o suspeito estava dentro da viatura da Polícia Militar (PM). No Centro Integrado de Atendimento ao Cidadão (Ciac-Sul), foi informado de que o plantão estava em fechamento e, por isso, não seria possível realizar o flagrante. Para não colocar o suspeito nas ruas, policiais e vítima aguardaram a chegada do escrivão do DP.

O prédio que tem quatro andares fica na avenida Manoel Ribas. De acordo com a vítima, o vizinho do contador acordou de madrugada e ouviu barulhos. “Chegamos lá e encontramos o cara dentro do escritório. Estava levando quadros, máquina, computador, ia fazer uma limpa. Se não é o vizinho, ele ia levar tudo. Desde as 4h30 da manhã até as 9 horas, aqui”, contou à Banda B.

Assim que o vizinho notou o roubo, acionou o dono do escritório e a Polícia Militar (PM). O suspeito entrou pela janela no escritório, que fica no segundo andar. Ele tem 30 anos, e ainda não era possível ver se já tinha passagens pela polícia. “Nosso bairro está à mercê, toda a semana tem lojas, casas sendo arrombadas”, disse a vítima. O registro do flagrante foi efetuado por volta das 9h30, após 5 horas de espera.

Outro lado

A Banda B procurou a assessoria da Polícia Civil do Paraná que enviou a seguinte nota sobre o caso:

Com relação ao crime de roubo ocorrido na madrugada desta segunda-feira (22), no bairro Mercês, o fato ocorreu por volta das 5 horas da manhã (conforme o Boletim de Ocorrência da Polícia Militar) e registrado no Centro Integrado de Atendimento ao Cidadão (CIAC- Sul) às 6h40. Os demais procedimentos necessários como o flagrante, bem como a condução do preso para exame no Instituto Médico Legal (IML), foram realizados pelo 3º Distrito Policial, no qual ficará responsável pelo inquérito policial, já que o crime ocorreu na área do 3º DP. A Polícia esclarece que a demora no atendimento se deu por falha de sistema que foi solucionado por volta das 9h e o atendimento concluído.