Por Elizangela Jubanski

SUSPEITOS

(Foto: Bruno Henrique – Banda B)

A Polícia Civil divulgou o nome dos envolvidos na morte do superintendente Marcos Antônio Gogola da Delegacia de Campo Largo, na região metropolitana, que aconteceu na manhã desta quinta-feira (5). As prisões foram feitos pelo Centro de Operações Policiais Especiais (Cope) na noite de ontem, horas depois do crime. A mãe e o pai do preso planejaram o resgate do filho. Uma informação extraoficial diz que a própria mãe quem marcou a consulta do filho no consultório, no centro do município.

Seis pessoas foram presas, entre elas, o detento Dionatan Mendes de Quadros, alvo do resgate em frente ao consultório odontológico. Ele foi baleado no bairro Cristo Rei, em Campo Largo, e segue internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Nossa Senhora do Rocio. Nesse mesmo confronto, Pedro Thiago Kochinski Ferreira acabou morto por disparos de arma de fogo.

Depois da troca de tiros, policiais do Cope conseguiram prender Anderson Luiz Barbosa da Luz, Iago Gonçalvez e Jean Fernando Portela de Matos. Todos eles participam do esquema para resgatar o preso Dionatan que estava sob escola do superintendente Gogola e do auxiliar de carceragem, que foi ferido na ação.

“Os pais de Dionatan, Mauro do Socorro de Quadros e Iracema de Fátima Mendes da Silva também foram presos por serem autores intelectuais do crime. Ele agiu na boa fé como sempre fazia com os presos na delegacia. Foi levar esse detento com autorização judicial e, infelizmente, isso aconteceu”, disse a delegada titular da Delegacia de Campo Largo, Gisele Mara Durigan.

Segundo o delegado titular do Cope, Edward Ferraz, que comandou a operação, outras unidades da Polícia Civil também ajudaram nas buscas aos marginais.