Da Redação com Polícia Civil

Em distintas operações, a Delegacia de Homicídios de Curitiba prendeu, nesta quarta-feira (9), três homens acusados de assassinatos em Curitiba. Um dos casos aconteceu em 2008, no bairro Cajuru, e os outros neste ano, no Tatuquara.

Matador do Tatuquara

Os policias da DH prenderam nesta quarta Valdini de Jesus Romaniuk, 37 anos, o “Magrão”, na casa de sua irmã, no bairro Tatuquara, em Curitiba. Ele é suspeito da morte de Juliano Rudi Dias, morto em 1.º de junho e Valdivino Rosa, o “Borracheiro”, morto em 24 de agosto.

Segundo o delegado adjunto da DH, Cristiano Quintas, na época, o corpo de Dias, que era enteado de Rosa, foi encontrado “desovado” na Estrada do Aterro do Caximba, e havia suspeita de alguma desavença com traficantes de droga. “Já a outra vítima foi morta quando estava no interior do Bar do Orlando, no Tatuquara”, contou o delegado.

Segundo os indícios, Rosa foi morto justamente porque sabia que “Magrão” teria sido o autor da morte de seu enteado. “Além dessas duas mortes, há suspeita do envolvimento de ‘Magrão’ ainda em um terceiro homicídio, ocorrida em junho de 2012, mas que ainda está sendo apurado”, disse Quintas.

Contra “Magrão” havia um mandado de prisão expedido pela Vara de Execuções Penais (VEP), por já ter sido condenado por roubo. “Magrão” será agora encaminhado ao sistema prisional. Ao ser interrogado, “Magrão” negou ser o autor das mortes a ele imputadas.

Matadores do Cajuru

Também foram preso na manhã de quarta (9), em uma chácara na zona rural de Cascavel, no oeste do Estado, dois homens acusados de terem assassinado Willian da Silva Ferreira, 21 anos, por volta das 10h30 do dia 23 de novembro de 2008, na Rua Miguel Caluf, no Cajuru, em Curitiba.

Segundo o delegado Agenor Salgado Filho, da DH, uma equipe da especializada se deslocou até Cascavel e capturou Júlio César de Oliveira, 29 anos, e Oséas Passarinho, 50 anos, que se escondiam numa chácara. “A morte ocorreu devido a um desentendimento de dois grupos que agiam na região. Inclusive dois outros participantes do homicídio de Ferreira já foram mortos”, disse Salgado.

Nelson dos Reis Sanches, o “Nelson Cachorrão”, e Erik Sandro Pereira, o “Beronha”, também foram participes do crime, mas acabaram mortos pela gangue rival.

Os dois homens presos na última quarta-feira disseram que se esconderam em Cascavel justamente por terem medo de serem assassinados pela gangue rival.