Denise Mello e Bruno Henrique

delefado riad

Delegado Riad Farhat / Foto: Bruno Henrique/Banda B

O novo delegado-geral da Polícia Civil, Riad Farhat, acaba de anunciar em entrevista coletiva que determinou nesta terça-feira (20) o afastamento das funções de três delegados denunciados por corrupção pelo Ministério Público do Paraná (MP-PR). Estão fora dos cargos os delegados Gerson Machado (Delegacia de Quatro Barras), Marco de Góes (10º Distrito Policial), e Anderson Franco (Delegacia de Estelionato). O delegado Luiz Carlos Oliveira, que estava à frente da Divisão de Crimes contra o Patrimônio (DCCP) já está afastado.

Os quatro delegados e outras 19 pessoas, entre investigadores, agentes e um comerciante, foram denunciados pelo MP no último dia 15 por corrupção, entre outros crimes. Segundo a denúncia, todos faziam parte de uma quadrilha com objetivo de conseguir dinheiro de comerciantes do setor de ferro-velho, por meio de corrupção na Delegacia de Furtos e Roubos de Veículos. A denúncia é decorrente da Operação Vortex, deflagrada em abril de 2013 pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), em Curitibae Região Metropolitana.

“Todos estão afastados de seus postos e vão responder um inquérito administrativo, além da esfera criminal”, afirmou o delegado-geral.

Ao todo, 24 crimes são relatados na denúncia do MP-PR. Três pessoas foram denunciadas por concussão, que é a exigência financeira mediante ameaças, uma por abuso de direito, uma por denunciação caluniosa, uma por lavagem de dinheiro, três por corrupção ativa e 15 corrupção passiva. Além disso, todos os policiais ainda foram denunciados pelo crime de formação de quadrilha.

Caso Recalcatti

Na entrevista coletiva o delegado Farhat também foi questionado sobre a nova colocação do ex-delegado da Homicídios, Rubens Recalcatti, que ainda está sem posto. “O delegado Recalcatti não aceitou ser delegado-adjunto da nova responsável pela especializada, Maritza Haisi, e também não aceitou alguns distritos que oferecemos. O caso dele ainda está sendo estudado”, se limitou a dizer Farhat.

Notícias Relacionadas

Delegado muda tudo em delegacia manchada por denúncia de corrupção policial