Do MP-PR

A 6.ª Promotoria de Justiça de Colombo, na região metropolitana de Curitiba, ajuizou nesta quarta-feira (21) uma ação civil pública por prática de ato de improbidade administrativa contra três investigadores da Polícia Civil do Paraná. Consta na ação que os policiais se associaram, de forma criminosa, para praticar crimes de corrupção passiva contra comerciantes estabelecidos no município de Colombo. As investigações apontam que os policiais cobravam valores mensais em troca de um “tratamento privilegiado” aos empresários.

Segundo o promotor de Justiça Paulo Conforto, responsável pela ação de improbidade administrativa, a medida foi proposta com base nas investigações feitas pelo Núcleo de Curitiba do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), que denunciou criminalmente os policiais pela prática dos crimes de formação de quadrilha armada, cuja pena é de reclusão, de um ano e meio a quatro anos e meio e; corrupção passiva, cuja pena prevista é de reclusão, de dois a doze anos, e multa.

Se condenados, os réus poderão receber as penas de perda da função pública; obrigação de reparação do dano; suspensão dos direitos políticos, por período variando entre três e cinco anos; e pagamento de multa civil de até cem vezes o valor da remuneração percebida pelo agente.