Por Felipe Ribeiro

A menina de sete anos baleada na Vila das Torres, em Curitiba, segue internada na tarde desta na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital do Trabalhador, em estado grave, na tarde desta segunda-feira. Segundo Secretaria de Saúde do Paraná (Sesa), a paciente teve que dar entrada no Hospital Evangélico para a realização de um exame no domingo, mas retornou a UTI para seguir em tratamento. Ela foi baleada durante uma briga de gangues que ocorreu no último sábado (8).

Segundo a Polícia Militar, Mikaele Baptista estava em um veículo Versailles, quando um homem armado com duas pistolas teria feito os disparos e atingido a menina. Na situação, um menino de doze anos acabou morrendo após dar entrada no Hospital Cajuru. O motivo apontado preliminarmente seria novamente o racha entre as gangues “De Cima” e “De Baixo”.

Para Mikaele, o hospital pede ainda sangue de qualquer tipo para reposição ao Hospital Trabalhador. As doações podem ser feitas no Hemepar, na Travessa João Prosdócimo, 145, bairro Alto da Rua XV.

Com a violência, a PM chegou a determinar um bloqueio total na Vila Torres e a passagem só foi liberada no domingo. Foram cerca de 30 horas de congelamento na região depois da morte de duas crianças em menos de uma semana por causa de brigas entre gangues. Todas as pessoas que entravam ou saíam da vila foram revistadas. Moradores ou apenas visitantes e familiares, todos.