Por Elizangela Jubanski e Djalma Malaquias

araucaria-des

Jovem teria sido morto para não testemunhar. Foto: Banda B

A carona para uma festa próxima de casa pode ter sido o erro de um jovem de apenas 22 anos que vivia longe do mundo do crime. Carlos Alberto de Oliveira foi morto a tiros dentro de um carro, em Araucária, na região metropolitana de Curitiba, por um suspeito que mantinha uma rixa antiga com o motorista, que também foi ferido e morreu na hora. Outro rapaz que estava no banco de trás foi baleado, mas socorrido com vida. O suspeito fugiu, mas há várias testemunhas do crime.

De acordo com a Polícia Militar (PM), os disparos de arma de fogo aconteceram quando os três seguiam para uma festa, em um Gol, de cor branca, na rua Coleira, no bairro Capela Velha. Há suspeitas de que o assassino estivesse dentro do carro, devido às marcas dos tiros. Mas, a versão não foi confirmada pela polícia. O motorista, que seria o alvo dos disparos, é Everton Emanuel Iete Cerqueira, 25 anos, e o baleado, internado em estado grave, foi identificado como Allan Rodrigo da Silva, 24 anos. Oliveira foi atingido por quatro disparos na região do abdômen. O motorista foi ferido na cabeça e Allan também no abdômen.

Familiares de Oliveira disseram à Banda B que o rapaz estava em casa e foi convidado para ir a uma festa. Silva, que mora próximo, teria oferecido carona ao jovem, que aceitou e embarcou no banco do passageiro. Outro amigo de Silva estava no banco de trás. “O Carlos morreu de graça, a irmã dele contou que ligaram pra ele ir em uma festa e, como ele estava junto com esse cara, morreu sem saber o motivo, pelo jeito”, disse um amigo da família.

Um primo também afirmou que o rapaz trabalhava, não tinha envolvimento com drogas, nem com a criminalidade. “Foi uma fatalidade, não é porque morreu, mas ele sempre foi um menino bom, não tinha envolvimento com nada, nada. Foi uma execução e ele foi morto para não ser testemunha. Mas, o cara que estava no banco de trás está vivo, conversou, está consciente. Teve bastante gente que viu o crime também, já estão dizendo sobre o nome dele e tudo. Vai ser preso, mas a vida do meu primo não volta mais”, contou, sem se identificar.

Oliveira tinha um filho de 2 anos e a mãe dele faleceu logo após o nascimento do neto. Não há informações sobre o motivo da rixa entre Silva e o assassino. Oliveira seria vizinho de Silva e do outro amigo que está ferido. Os corpos dos dois foram recolhido ao IML de Curitiba. A Delegacia de Araucária investiga o crime.