Da Redação

A população da Lapa, região metropolitana de Curitiba, está revoltada com a morte da taxista Ana Karina Ribas Magalhães, de 25 anos. O crime aconteceu no último sábado (15) e o assassino, Fernando Wagner Maciel, 25, foi preso em casa na tarde desta segunda-feira (17). Indignados, cerca de cem pessoas tentaram invadir a Delegacia da Lapa ontem à noite para agredir Maciel e fazer justiça com as próprias mãos.

fernandoMaciel foi preso dentro de casa (Foto: Divulgação PC)

Por conta da movimentação intensa na delegacia, foi preciso reforço policial vindo de Araucária. Além disso, Maciel foi transferido para outra carceragem durante a madrugada, a fim de que os ânimos se acalmassem. O suspeito confessou o crime e disse que estrangulou a taxista após estuprá-la, sob o efeito do uso de crack. Em entrevista à Rede Massa, ele disse que depois do crime também foi atrás da droga com o dinheiro e o celular que levou da taxista. “Ela queria sair do carro e eu não deixei. Depois, fui fumar, mas na hora não tive remorso. Agora, muita coisa está passando pela minha cabeça. Sim, me arrependo”, disse o suspeito.

O delegado da Lapa, Michel Teixeira de Carvalho, responsável pela investigação, falou sobre a prisão à Banda B. “Ele afirmou para a polícia que tinha como principal objetivo roubar as coisas dela para comprar mais entorpecentes. Maciel tinha o cartão da taxista e já teria feito três corridas com ela antes do crime. Na ocasião, ele ligou para a vítima pedindo o serviço”, explicou o delegado Michel Teixeira de Carvalho, responsável pela investigação.

A taxista foi encontrada morta pelo marido. Maciel já tinha passagens pela polícia.

Notícias Relacionadas:

Jovem que estuprou e estrangulou taxista é preso na Lapa e conta por que cometeu o crime

Taxista cai em emboscada e é estrangulada com as próprias calças; marido foi quem a encontrou