Débora foi morta com três disparos de arma de fogo. Foto: Arquivo família/Banda B

 

Uma mensagem recebida por meio do aplicativo WhatsApp pode ser uma das pistas para o assassinato da jovem Débora Antônia Costa, 18 anos, no fim da tarde deste quarta-feira (6), em Piraquara, na região metropolitana de Curitiba. Ela saiu de casa, segundo a família, depois de receber uma mensagem e foi alvo de disparos de arma de fogo a menos de uma quadra. Uma amiga que estava com Débora saiu correndo e ainda não prestou depoimento à polícia. A jovem morreu antes de chegar em uma unidade hospitalar.

Segundo a Polícia Militar (PM), a família mora na rua Andorinhas, no Jardim Guarituba, e o crime aconteceu a poucos metros do portão de casa. O primo de Débora contou à Banda B que ela estava em casa, recebeu uma mensagem e disse que iria ao mercado. “Ela estava deitada, mexendo no celular, recebeu uma mensagem e saiu, dizendo que ia ali perto, em um mercadinho, comprar cigarro. Quando ela saiu de casa, um cara encapuzado, na garupa de uma moto, deu três tiros nela e fugiu”, contou Joscelino Conceição.

Vizinhos disseram que uma amiga que estava com ela saiu correndo durante os disparos e ainda não falou com a família, nem com a polícia, segundo familiares. Ao notarem que a garota estava ferida, os próprios parentes a carregaram para dentro do carro e a levaram para a Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) de Piraquara. A jovem não resistiu e morreu.

Sobre a motivação, a família diz não saber o pode ter acontecido. “Tinha acabado de fazer 18 anos, a família toda é evangélica, uma menina muito carinhosa, nova, cheia de vida, alegre. A gente não tem ideia o que pode ter acontecido, não sabemos se estava sendo ameaçada, nada”, finalizou o primo.