(Foto: Reprodução)

 

Os moradores dos bairros Vila Izabel e Água Verde, em Curitiba, estão preocupados com mais uma modalidade de assaltos: furtos ou roubos de bicicletas de dentro das garagens dos condomínios. Segundo o Conselho de Segurança (Conseg) da região, o problema se tornou mais frequente no mês passado.

“Os bandidos normalmente agem em grupo, sobem e pulam muros, grades, abrem os fechos… Eles invadem a garagem dos prédios e tiram de lá bicicletas e outros objetos. A maior incidência de furtos acontece durante a madrugada”, disse o presidente do Conseg, Paulo Roberto Santos, em entrevista à Banda B nesta terça-feira (12).

De acordo com ele, os moradores costumam acionar a Polícia Militar e a Guarda Municipal após os crimes, mas nem sempre os assaltantes são localizados. “As autoridades têm nos atendido, só que o tempo de permanência dos ladrões dentro dos condomínios é de dois, cinco minutos, o suficiente para fazerem estrago e fugirem”, completou Santos.

Para o presidente do Conseg, a certeza da impunidade é um dos principais motivos do aumento de crimes e do registro de novas modalidades de assaltos na região. “O que acontece hoje na nossa cidade e no nosso país é que estamos enxugando gelo, com uma situação prisional mal resolvida e pouco investimento em educação. Esse pessoal que a polícia consegue prender passa por uma audiência de custódia e no dia seguinte está solto, aprontando novamente. Outra questão a ser considerada são os menores de idade, que acabam ficando com a responsabilidade e não permanecem apreendidos”.

Diante dessa situação, Santos orienta os condomínios a reforçarem as medidas de segurança. “Todos os condôminos e síndicos devem se preocupar com ações como poda de árvores, instalação de uma boa iluminação e de sistemas de trancas e grades. Há, ainda, o caso dos porteiros… Em alguns locais, há situações em que eles mesmos liberam a entrada dos criminosos de forma ingênua, o que mostra que não estão devidamente orientados”, explicou.

Outra sugestão é que os condomínios contratem um seguro para evitar prejuízos na hora de ressarcir os donos dos objetos furtados ou roubados. “Quando há portaria e uma garagem fechada, existe a responsabilidade do condomínio de pagar para o condômino os prejuízos do furto. Por isso, um seguro auxilia bastante nesse momento. Além disso, é ideal que os moradores procurem o Conseg da sua região, compartilhem informações sobre os crimes e promovam ações para reforçar a segurança”, finalizou.