Divulgação DFR
Casal deu prejuízo de aproximadamente R$ 30 mil ao dono da churrascaria

Dois funcionários de uma churrascaria, no bairro Uberaba em Curitiba, foram presos em flagrante na manhã deste sábado (2) ao desviar quilos de carne do estabelecimento. Nelson de Oliveira Camargo, 49 anos, e a sua esposa, Melaine Salete de Oliveira, 52 anos, deram prejuízo à churrascaria em cerca de R$ 30 mil. O casal foi preso depois de o proprietário notar o rombo no caixa e instalar câmeras de segurança na churrasqueira. De acordo com os policiais da Delegacia de Furtos e Roubos (DFR), muitos clientes compravam carnes a preço reduzido, mas não há como afirmar se eles sabiam do desvio do produto.

“O dono da churrascaria nos procurou afirmando que estava notando uma perda de cerca de R$ 30 mil mensais. Ele não sabia de onde estava vindo este prejuízo, mas desconfiava de alguns funcionários. Então recomendamos que instalasse câmeras de segurança”, contou o delegado titular da DFR, Amarildo José Antunes.

Divulgação DFR
Restos de carne que seriam vendidos pelo casal

Antunes explicou que a câmara flagrou veículos estranhos recebendo carnes já assadas que haviam sobrado e carnes ainda sem assar todas as manhãs. “Então armamos o flagrante e predemos o casal na manhã de sábado. Toda a carne era desviada sempre no começo da manhã, entre 7h e 8h”, explicou o delegado, destacando que o casal vendia as carnes em embalagens de até vinte quilos por R$ 5 e em caixas com maior capacidade custando R$ 50. O delegado explicou que, em seus depoimentos, os acusados afirmaram que tinha autorização para revender a carne que sobrava das refeições. “Eles disseram que um gerente local havia dado autorização. Esse gerente e um outro funcionário do restaurante também foram indiciados”, salientou o delegado.

Antunes contou que na casa de Camargo, que era o chefe da churrasqueira, foi encontrada uma pistola 380. “Há informações de que ele ameaçava os demais funcionários da churrascaria caso eles contassem algo sobre o desvio das carnes”, contou.

Hoje

Em depoimento à DFR o proprietário disse que não lembrava qual foi a última vez que, em plena segunda-feia, tinha sobrado tanto queijo.

Divulgação DFR
Casal vendia carnes em embalagens de até 20 kg por R$ 5 e caixas maiores por R$ 50