Bebidas apreendidas pela DHPP. Foto: AN/Banda B

 

A operadora de caixa Bianca Fonseca, de 28 anos, uma das quatro pessoas que se feriram depois de ingerirem soda cáustica no Bar do Mauro, no bairro Boa Vista, em Curitiba, recebeu alta há uma semana do Hospital Cajuru, onde estava internada desde o dia 14 de janeiro. Ainda em uma dieta com alimentos pastosos ou liquido, a jovem contou à Banda B o drama que passou para conseguir recuperar-se da gravidade dos ferimentos que sofreu.

Bianca se recupera depois de vários dias internada (Foto: Facebook)

“Logo que eu tomei a dose de tequila e sai do bar, comecei a vomitar sangue e fiquei internada até o dia 26. Fiquei dois dias na semi UTI e depois fui para a enfermaria. Me recuperei, mas mesmo assim estava correndo riscos. Foram seis dias sem comer nada, com meu estômago e esôfago cheio de ulceras”, relatou.

Apesar de receber alta, Bianca conta que ainda precisa de acompanhamento médico. “A última endoscopia mostra que melhorou, mas ainda há 90% de chance de adquirir um câncer no esôfago. Foi muito sério, meus parentes não acreditavam que eu sobreviveria”, disse.

Por fim, a jovem, mãe de uma menina de cinco anos, destacou que vai processar o dono do estabelecimento. “Foi uma imprudência total. Ele falou que sofreu danos financeiros, mas isso você corre atrás, e a minha saúde? Estou com advogado e vou em busca dos meus direitos”, concluiu.

Além de Bianca, outros dois clientes e o dono do bar beberam a soda, porém não precisaram de internamento.

Inquérito policial

O dono do Bar do Mauro responderá por lesão corporal culposa, quando não há intenção. A delegada Sabrina Alexandrino, da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), falou à Banda B sobre a conclusão do inquérito.

Delegada Sabrina falou sobre o caso (Foto: Banda B)

“Ouvimos várias testemunhas, dentre elas as vítimas, como a moça que precisou ficar internada. Todas as três pessoas disseram que houve um equivoco do dono do bar. No mesmo local em que era guardado a bebida, estava o produto de limpeza. Uma funcionária colocou o produto de limpeza na na garrafa e houve a confusão, sendo servida a soda aos clientes”, descreveu.

De acordo com a delegada, se condenado o dono pode pegar de dois meses a dois anos de prisão. “Deve ser uma pena branda, porque ele não tem antecedentes criminais”, afirmou.

O inquérito criminal será levado ao Ministério Público. O Bar do Mauro chegou a ser fechado pela Vigilância Sanitária no último dia 15, mas já funciona normalmente.

Notícia Relacionada: