Velório aconteceu 35 dias após o sumiço da jovem. Foto: Folha do Litoral

 

Familiares e estudantes da estudante de Direito Andriely Gonçalves da Silva, de 22 anos, realizaram o sepultamento da jovem, nesta quarta-feira (12), em Morretes. As últimas homenagens aconteceram 35 dias depois do sumiço dela, dia 9 de maio. As informações sobre o velório são do jornal Folha do Litoral.

O velório foi realizado no salão da Igreja Metodista de Morretes, com a participação de cerca de cem pessoas. Durante o sepultamento, às 15h, houve uma manifestação pedindo justiça, movimento organizado por familiares e amigos da jovem.

Andriely sumiu em uma quinta-feira à noite. O corpo foi encontrado no quilômetro 9 da Estrada da Graciosa, em Morretes, no Litoral do Paraná, na tarde da última  sexta-feira (8).

Suspeito

O principal suspeito de ter matado Andriely é o soldado da Polícia Militar (PM) Diogo Coelho Costa, ex-marido dela. Ele está preso desde o dia 19 de abril, depois que imagens de câmeras de segurança mostraram o momento em que o policial saiu de casa com a jovem na madrugada em que aconteceu o desaparecimento.

A defesa diz que o ex-marido de Andriely insiste que é inocente e que jamais faria algo contra ela. “[No dia do desaparecimento, em 9 de maio] Ele foi até o apartamento, que também era dele, e saiu de lá uniformizado, sabendo que tudo estava sendo gravado. Diante disso, óbvio que ele seria o primeiro a ser acusado se algo acontecesse com ela, como infelizmente ocorreu. O meu cliente afirma que nunca faria nada desse tipo, que não é da índole dele e que é muito primário acharem que ele é o assassino”, completou o advogado  Luiz Goldman.

Nesta segunda (11), diante da identificação oficial do corpo, a Polícia Civil informou que vai pedir a prorrogação, por mais um mês, da prisão temporária do soldado. A Delegacia do Alto Maracanã segue investigando o caso.

Notícia relacionada: