Por Elizangela Jubanski e Antônio Nascimento

Uma professora de um colégio público na Cidade Industrial de Curitiba foi atingida por uma pedra enquanto dava aula no fim da tarde desta quarta-feira (20). A professora de Artes tem 28 anos e foi levada até a Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) da CIC com ferimentos no rosto. O garoto que jogou a pedra estava do lado de fora, tem apenas 13 anos e é ex-aluno do colégio.

professora agredida

Professora atingida por pedra e estilhaços. Foto: Portal Banda B

Os alunos já tinham relatado aos professores que adolescentes estavam do lado de fora da escola desde o início das aulas de ontem jogando pedras em direção às salas. A professora contou, em entrevista à Banda B, que foi atingida no momento em que pedia para os alunos saírem de perto das janelas. “Eu estava dando aula, já estava na última. E quando eu levantei da minha cadeira e pedi para que os alunos saíssem de perto da janela quando uma pedra atingiu em cheio meu rosto”, descreveu. A pedra e os estilhaços do vidro machucaram o rosto da professora.

Logo após a agressão, a professora foi levada para a UPA da CIC com bastante sangramento. O corpo docente da escola ficou em choque com a situação e deram todo o auxílio à professora. As aulas foram suspensas no fim da tarde. “Tive que tomar vacina antitetânica, estou com escoriações no rosto, inchaço, dor. Uma violência gratuita que a gente não espera receber dentro de uma escola”, desabafa a professora de Artes.

O garoto que jogou a pedra em direção à escola e acertou a professora é ex-aluno. “Todo mundo viu quem jogou a pedra, eu vi. Esse garoto tem a mãe muito omissa porque ela já tinha sido chamada diversas vezes na escola e dizia que já não sabia o que fazer. O menino já tinha riscado o carro de professores, já tinha se envolvido em brigas. São adolescentes que os pais não têm mais controle e passam o dia na rua fazendo o que bem entendem. Eles não percebem que a escola faz parte da comunidade e acham legal quebrar vidros”, critica.

A professora está de atestado médico se recuperando nos ferimentos e deve voltar às aulas na semana que vem. Ela registrou Boletim de Ocorrência na Polícia Militar (PM) e a Delegacia do Adolescente vai investigar o caso.