Por Marina Sequinel e Antônio Nascimento

A esposa do comerciante Jorge Kuk, de 46 anos, que morreu em fevereiro deste ano depois de ser baleado em um assalto, procurou a Banda B na tarde desta terça-feira (24) para fazer uma denúncia. Segundo ela, a arma do crime pode ter sido roubada por um policial militar.

retrato-falado-criminoso-240913-bandab

Retrato-falado do homem acusado de matar o comerciante. Foto: Antônio Nascimento – Banda B

“Eu vi o meu marido cair aos meus pés. O bandido saiu correndo e deixou a arma para trás. Eu estava muito desesperada e fui pedir socorro para os meus vizinhos. Eu até consegui chamar um policial a paisana, que fazia bico de segurança em um estabelecimento perto”, contou a mulher.

Ela disse ainda que viu um dos vizinhos entregando a arma para os policiais que atenderam à ocorrência. “Eu vi um PM com o revólver, tenho certeza disso. Mas até agora o criminoso não foi encontrado, porque a arma do crime simplesmente sumiu e o projétil já foi retirado do corpo do meu marido no IML”.

O crime aconteceu no bairro Xaxim, em Curitiba. Jorge Kuk morreu depois de ficar internado na UTI por 15 dias. Ele levou um tiro no peito e não resistiu.
“Todo dia, meu último pensamento é o meu marido. Eu só quero que a justiça seja feita”, concluiu a esposa.

Segundo nota de esclarecimento enviada pelo Comando Geral da PM, na época, a polícia abriu um Inquérito para apurar os fatos. A documentação foi encaminhada para a Corregedoria para solução e, em seguida, também deverá ser encaminhado ao Poder Judiciário para julgamento.

Notícias relacionadas

Comerciante baleado no Xaxim morre no hospital após 19 dias internado na UTI