Após um violento fim de semana na Vila das Torres, em Curitiba, moradores da região fecharam a Avenida Comendador Franco (mais conhecida como Avenida das Torres) e também a Rua Chile no fim da tarde desta segunda-feira (22) para protestar. Da noite de sábado (20) até a manhã desta segunda-feira foram quatro mortes violentas na região. Os moradores acusam o Batalhão de Operações Especiais (Bope) de forjar confronto policial.

O protesto aconteceu bem em frente à Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep) e durou cerca de uma hora, até às 18h50. Motoristas procuraram caminhos alternativos para evitar congestionamento na região. Houve um princípio de resistência por parte dos moradores com a chegada da PM, mas ninguém se feriu.

Segundo o tenente Jonck, foram feitos dois pontos de bloqueio pelos manifestantes, sendo que o da Avenida das Torres começou a ser liberado por volta das 17h30. “O apoio aéreo é importante para coletar mais informações e garantir segurança. No momento estamos esperando o Corpo de Bombeiros para apagar o fogo e liberar a via”, explicou.

Questionado sobre as mortes do fim de semana, o delegado Cássio Conceição, da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), explicou que ainda não é possível fazer relação entre as mortes, já que há casos de sinais característicos de execução e outros de briga. “Hoje já percebemos um caso diferente, que foi uma vítima morta a pedradas”, comentou.

Reivindicação

Valdir Alves Moreira é morador da região e criticou a ação da Polícia Militar no sábado (20). “É uma vergonha o que está acontecendo. No sábado atiraram contra duas pessoas e não deixaram ninguém chegar perto, um absurdo. O menino não deu tiro em ninguém, levantou o braço quando eles chegaram. Não há guerra e ficam colocando a gente contra o pessoal lá de baixo”, garantiu.

Uma faixa na Rua Guabirotuba afirmava: “Bope mata jovens e forja troca de tiros”.

A Banda B entrou em contato com a Polícia Militar, que até o momento não se posicionou sobre a situação.

Mudanças de itinerários

Em função do bloqueio, a Prefeitura de Curitiba informou que as linhas de ônibus Universidades, Cabral / Portão, Estudantes, Macedo, Jd. Itiberê e Jd. Centauro estão desviando itinerário e sofrerão atrasos.

A repórter Flávia Barros registrou o momento em que policiais tentavam conter a manifestação:

Confira imagens aéreas do protesto, gravado pelo Grupamento de Operações Aéreas (Goa) da Polícia Civil: