Por Elizangela Jubanski e Ricardo Vieira

Um policial militar lotado na Rondas Ostensivas de Natureza Especial (Rone), do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope), foi baleado na noite desta terça-feira (9) durante um confronto em Itaperuçu, na região metropolitana de Curitiba.  O Terceiro Sargento Wellignton de Matos foi ferido na perna por arma de grosso calibre e o estado de saúde é gravíssimo. O suspeito de ter atirado também foi baleado, mas não resistiu e morreu na hora. Os familiares dele estavam indignados com a atitude dos policiais.

O confronto aconteceu no Jardim Itaú. Segundo informações apuradas com a polícia, o Bope estava em uma operação na região quando foi surpreendido por um grupo armado. O tiro que atingiu o policial foi à queima roupa e ele caiu na hora.

O Serviço Integrado de Atendimento ao Trauma em Emergência (Siate) foi acionado e encaminhou Mattos ao pronto-socorro do Hospital Evangélico. De acordo com o tenente Alves do 7º GB, o estado de saúde do policial é grave Ele está na UTI em coma. “Nós fomos acionados por volta das 22h20 para atender essa ocorrência e logo já ficamos sabendo que era um sargento ferido. Ao ver o ferimento, que era bem grave, a médica fez todos os procedimentos para encaminhá-lo urgente para o hospital”, contou.

Durante o atendimento ao policial, o suspeito foi perseguido e morto, na rua Edna Valente Curi. Identificado como Alan de Miranda, 20 anos, o jovem já tinha passagem pela polícia. No entanto, a família alegou que ele andava armado porque estava recebendo ameaças de morte. Ainda assim, familiares disseram que a morte do jovem foi equivocada. A Delegacia de Itaperuçu passa a investigar o caso.

Apelo

A família do policial do Bope faz apelos para que doadores de sangue se encaminhem até o Centro de Hematologia e Hemoterapia do Paraná (Hemepar), na Tv. João Prosdócimo, 145 – Alto da XV. Até o fim da manhã, o policial precisará de até 50 doadores.

Estado de saúde

O sargento permanece em estado grave internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Evangélico, com risco de morte. Como ferimento na veia femural, a hemorragia segue instável.