Da Redação

“Ela estava de pezinho em uma pedra e eu atirei”. Foi com essa frase que Marco Antônio Vieira Leal, de 36 anos, contou à imprensa como matou a filha de dois anos com um tiro na cabeça, no fim da tarde desta terça-feira (28), em Piraquara, na região metropolitana de Curitiba. Ele também lamentou o crime e afirmou que não sabe o que aconteceu.

“Eu vi o corpo dela caindo no barranco e peguei as outras crianças para ir embora. Não sei o que aconteceu, porque eu não faria isso contra ela”, afirmou Marco Antônio, em entrevista ao Portal Catve.tv.

marcoMarco Antônio confessou o crime (Foto: Portal Catve.tv)

Já em um vídeo divulgado pelo Programa Brasil Urgente, da Band TV, o acusado, logo após ser preso, disse que matou para se vingar da mulher. “Para me vingar dela. Me deu surto psicótico, por causa dos medicamentos que eu tomo”, contou, em imagens feitas possivelmente por um policial militar.

O crime

O pai matou a própria filha de 2 anos com um tiro na cabeça, lançou o corpo em uma ribanceira e, ao ser preso, confessou que fez isso só para se vingar da mãe da criança, que ameaçava se separar dele. O homem cometeu o crime durante um passeio e atirou na filha na frente dos outros dois filhos, de 7 e 5 anos.

O crime aconteceu às 17 horas no bairro Roça Grande, em Piraquara. Segundo a polícia, o eletricista Marco Antonio Vieira Leal, de 36 anos, levou os três filhos, de 7, 5 e 2 anos para um banho de cachoeira na região da serra do Mar. Passou o dia com as crianças e, na volta, pediu para que os dois filhos mais velhos caminhassem um pouco à frente e ficou com a mais nova, Vitoria Emanuelle. Segundo o relato das crianças, Leal simplesmente pegou o revólver e atirou na cabeça da pequena Vitoria que, provavelmente, morreu na hora. Em seguida, jogou o corpo da filha em uma ribanceira e ameaçou os outros dois dizendo que iria acontecer o mesmo com eles se falassem para alguém.

Notícia Relacionada:

Para se vingar da mulher que queria se separar, pai mata filha de 2 anos com tiro na cabeça