A Delegacia de Furtos e Roubos (DFR) investiga desde a manhã desta segunda-feira (18) a morte da comerciante Bernadete Dolores Dulla Zella, 43 anos, dona da Maggiore Gastronomia, que fica na Avenida Manoel Ribas, em Curitiba. De acordo com o delegado Amarildo Antunes, a polícia não descarta nenhuma linha de investigação, já que muitos fatos não possuem uma conclusão adequada.

“Pode se tratar de latrocínio, roubo seguido de morte; pode se tratar de um homicídio de vingança ou pode se tratar de algum outro crime. O que nos chamou a atenção hoje é o fato dela já ter sido sequestrada há três anos e não ter registrado boletim de ocorrência”, disse o delegado.

Segundo Antunes, é estranho que os bandidos tenha levado a vítima para a execução em uma estrada rural, já que isso provocou um risco para os bandidos. “Já possuímos imagens do estabelecimento, mas elas não ajudam muito já que eles estão com bonés, capuz e luvas, mas é certo que esse pessoal tinha informações privilegiadas”, concluiu.

Familiares, amigos e funcionários também serão chamados a delegacia para prestarem depoimentos.

Crime

Bernadete foi sequestrada em um assalto na tarde deste domingo (17) e encontrada morta com um tiro na nuca na manhã desta segunda-feira (18), próximo Estrada do Cerne, em Campo Magro, região metropolitana de Curitiba.

De acordo com o perito criminal do Instituto de Polícia Científica, Alexandre Lara, o atirador é experiente. “Foi um tiro apenas na nuca. Sabiam o que estavam fazendo”, disse à Banda B.

A DFR agora dá prosseguimento as investigações.