Por Luiz Henrique de Oliveira

O delegado-geral da Polícia Civil, Riad Braga Farhat, garantiu apoio a manifestação da corporação contra a superlotação nas carceragens das delegacias paranaenses. Os policiais prometem parar as atividades de investigação e Boletins de Ocorrência nesta terça-feira (13), após a morte de um agente de cadeia em Colombo, na região metropolitana de Curitiba, no fim de semana.

farhat-caso-tayna-270314-bandab

Farhat defendeu Beto Richa (Foto: Sesp-PR)

Em entrevista à Banda B, na manhã de hoje, Farhat disse que a situação é inaceitável, mas garantiu que o governador Beto Richa (PSDB) demonstra vontade em resolver o problema. “O departamento da Polícia Civil vê com respeito, porque é uma reivindicação justa. É uma paralisação para chamar a atenção da população e da imprensa sobre os problemas graves nas carceragens”, iniciou.

“O governador tem sido sensível e demonstra vontade em realmente resolver este problema e a promessa é que até o fim do governo todos os presos saiam da custódia da Polícia Civil nas delegacias. Beto Richa anunciará hoje uma medida de segurança para tirar os presos de Curitiba e região metropolitana”, completou.

De acordo com o delegado-geral, a manifestação não irá prejudiucar a população. “Da forma que está sendo feita ninguém será prejudicado. A situação é grave e a superlotação inaceitável, o que prejudicas as investigações, o direito humano dos presos e a segurança da população do Paraná”, concluiu.

Relembre mais nas notícias relacionadas:

Agente de cadeia recebeu R$ 20 mil para facilitar fuga de presos em Colombo, diz delegado

Delegacias do Paraná vão fechar a partir das 0h desta terça-feira, garante sindicato