Delegado Max Dias Lemos usava tornozeleira eletrônica. Foto: Divulgação/Polícia Civil

 

O delegado afastado de Matinhos Max Dias Lemos se apresentou à delegacia na noite desta quarta-feira (10) depois que a 2ª Promotoria de Justiça apresentou denúncia criminal contra ele, sob acusação de peculato e tráfico de drogas.

De acordo o Ministério Público do Paraná, o delegado apropriou-se indevidamente de drogas (aproximadamente 417 gramas de cocaína) apreendida em operação policial, realizada em julho de 2017 na cidade. “O objetivo seria revender a mercadoria a terceiros”, diz o MP.

Max Dias foi afastado temporariamente de suas funções em janeiro deste ano, quando foi preso em decorrência da Operação Atrox, conduzida pela 2ª Promotoria de Justiça de Ibaiti, para apurar os crimes de tráfico de drogas e corrupção.

Segundo o Ministério Público, “as investigações na época demonstraram que o delegado teria liberado ilegalmente traficantes, presos quando transportavam drogas de Ibaiti a Matinhos, e adulterado peças de inquérito policial, mediante o recebimento de vantagem indevida”. Recentemente, no entanto, o delegado foi solto mediante monitoramento eletrônica.

Na denúncia, a Promotoria de Matinhos requer a prisão preventiva do delegado, “como forma de preservar a ordem pública, uma vez que, mesmo após ter sido preso em janeiro deste ano, verificou-se, na Delegacia de Polícia, o desaparecimento de drogas que haviam sido apreendidas no âmbito de outros inquéritos que eram conduzidos por ele”.

O juiz da Comarca de Matinhos, Ricardo Jose Lopes, aceitou a denúncia e determinou a prisão preventiva do delegado.