Colônia Prado é uma região de chácaras e bastante pacata. Foto: AN/Banda B

 

Batizado como ‘corredor da morte’ da Colônia Prado, em Almirante Tamandaré, na região metropolitana de Curitiba, a estrada rural  contabilizou mais uma pessoa morta na madrugada de segunda-feira (29). Em apenas dois anos, onze corpos já foram desovados no local. Moradores estão assustados com tantas violência, em uma região tão pacata.

Segundo vizinhos chacareiros, um disparo de arma de fogo foi ouvido durante a madrugada. Pela manhã, a descoberta do corpo de um homem, com cerca de 35 anos, tatuado e sem camisa, na rua Pedro Antoniacomi A Polícia Militar (PM) foi acionada para isolar a área e a Civil para iniciar as investigações.

O superintendente Almirante Tamandaré, Ediu Fernandes, disse que há poucas informações, mas que tudo será analisado pelos investigadores. “Não temos muitas informações, mas sabemos que uma pessoa ouviu um disparo. A vítima tem muitas tatuagens pelo corpo e pela aparência, está com apenas um tênis, sem camiseta, houve luta e resistência”, descreveu o superintendente.

Já o perito criminalista Silvestre Ornelas, do Instituto da Polícia Científica, garantiu que o disparo foi à queima roupa, impossibilitando qualquer chance ao homem. “A pessoa já estava em estado rígido, tinha ferimento de 12 porque o cartucho estava ao lado e o queixo totalmente destruído por causa da potência do tiro de uma espingarda calibre 12”, analisou.

A vítima tinha escoriações nos joelhos e nas mãos. Em um dos braços, a tatuagem ‘Deus’. Ele estava às margens da rua e ninguém o reconheceu na região.

Para moradores, a sensação é de insegurança. “Nunca tinha visto tanta coisa assim, aqui. Desde que me mudei, há dois anos, estou contando. Teve um agora dia 25 e esse hoje, já são onze”, disse o morador, que não será identificado.

O corpo do homem foi recolhido ao Instituto Médico Legal (IML) de Curitiba e a Delegacia de Almirante Tamandaré investiga o crime.