A Delegacia de Homicídios de Curitiba (DH) investiga a morte de Everton Justino dos Santos, ocorrida na noite do último sábado (30) no pátio de um posto de combustível na Rua Fagundes Varela, no bairro Jardim Social, em Curitiba. Embora o crime tenha sido testemunhado por clientes e funcionários do estabelecimento comercial, todos ouvidos pela polícia até agora alegam não saber quem atirou.

Nesta segunda-feira (1°) o dono do posto foi ouvido na DH e chegou a discutir com a equipe policial. “Ele disse que não tem a obrigação de saber o que acontece em seu posto e falou que as imagens das câmeras de segurança não foram gravadas. Coloquei este rapaz no lugar dele, porque alguém morreu ali e o proprietário também tem responsabilidade sobre isto”, afirmou à Banda B o delegado Rubens Recaltti, da DH.

Segundo o delegado, Everton era uma pessoa “encrenqueira”. “Ele seria conhecido ali na região. Na madrugada estava no pátio e entrou na loja de conveniências, onde teria acontecido uma discussão. Dizem que um segurança do posto atirou, mas as testemunhas ouvidas, embora tenham visto o crime, não sabem dizer quem matou este rapaz”, descreveu.

O suspeito chegou a ser levado por amigos ao Hospital Cajuru, mas não resistiu aos ferimentos e morreu na madrugada de domingo (31).