Denise Mello e Juliano Cunha

05.07.13 - DROGA

(foto: Cabo Manoel Gomes)

Durante patrulhamento de rotina na noite desta quinta-feira (4), na área central de Curitiba, policiais militares do Batalhão de Operações Especiais (BOPE) apreenderam aproximadamente meia tonelada de maconha. A droga estava escondida dentro de uma caminhonete Amarok estacionada dentro do Shopping Estação.Três homens foram presos e dois veículos recuperados na ação.

Tudo teve início após uma denúncia de um vigilante de uma agência bancária, que suspeitou dos três acusados e acionou a polícia. Logo em seguida, durante patrulhamento, os policiais localizaram o veículo Fiat Punto denunciado pelo vigilante abastecendo em um posto de combustíveis perto da Rodoviária de Curitiba. Durante a abordagem, os policiais descobriram que o Punto havia sido roubado há 20 dias no Parque Tingui. Com um dos suspeitos, a polícia encontrou no bolso um cartão de estacionamento do shopping e a chave de um carro. “Os policiais deram voz de prisão aos três suspeitos e, mesmo sem eles falarem nada, seguiram até o shopping para tentar localizar o veículo referente ao cartão. Lá, encontraram a caminhonete carregada com meia tonelada de maconha”, explicou o Major Hudson Leôncio Teixeira, do BOPE, em entrevista à Banda B.

05.07.13 - BOPEParte da droga estava escondida na caçamba da caminhonete e o restante dos tabletes estavam atrás dos bancos. “Descobrimos que a Amarok branca também havia sido roubada em Minas Gerais no mês passado e usava placas clonadas. A suspeita é que essa droga iria ser distribuída em Curitiba e região e também poderia ser levada para a região de Foz do Iguaçu, já que dois dos presos são de lá”, completou o major.

Foram presos Romeu dos Santos, 30 anos, Khaled Mohamed Ribeiro Safadi, 21 e Maikol Luis Mizerski, de 22 anos. Os suspeitos foram conduzidos, juntamente com o entorpecente, à Superintendência da Polícia Federal.

Segundo o major Hudson, está ficando cada vez mais comum este tipo de prática de deixar carros com drogas em estabelecimentos comerciais. “Os traficantes estão utilizando este expediente de deixar o carro com a droga em lugares de grande circulação como estacionamentos do comércio. Mas é claro que estes estabelecimentos comerciais não têm nenhuma relação com estes crimes”, reforçou o major Hudson.