Por Elizangela Jubanski e Danaê Bubalo

bandido-mortoRapaz trocou tiros com a polícia, que revidou. Foto: DB/Banda B

Um assaltante foi baleado e morreu em um confronto com a Polícia Militar (PM) na noite desta terça-feira (11) em Pinhais, na região metropolitana de Curitiba. O bandido, ao lado de um comparsa que conseguiu fugir, invadiu uma residência no Jardim Cláudia e fugiu com o carro e pertences da família. Ele ainda não está identificado e as vítimas o reconheceram. Uma mulher apanhou dos bandidos durante o assalto.

O assalto à residência, que fica na Avenida dos Pássaros, aconteceu por volta das 22 horas. A moradora contou que chegava em casa ao lado de uma amiga quando as duas foram rendidas pela dupla. “Abri o portão, entrei com o carro e quando já estava dentro de casa foi rendida por um homem de boné e outro encapuzado. Meu filho adolescente correu para a rua, mas não adiantou porque tinham outros caras lá fora. Eles foram bem violentos e bateram na minha amiga”, disse a vítima à Banda B.

Os bandidos fugiram com o carro da família, um Fiat Uno, e diversos pertences pessoais e também eletrônicos da casa. Vizinhos viram a ação dos marginais e acionaram a PM, que cruzou com o veículo Uno e também um Celta, de cor vermelha, dos suspeitos na Estrada da Graciosa. Houve perseguição, os bandidos perderam o controle do carro e fugiram para o meio de um matagal.

De acordo com a polícia, uma equipe da Rondas Ostensivas Táticas Móveis (Rotam) que foi acionada para apoiar a situação foi surpreendida pelos dois marginais, que abandonaram o carro e atiraram contra a viatura. No revide, os policiais balearam um suspeito, que morreu na hora.

Nenhum policial se feriu e o outro comparsa conseguiu fugir com o Celta, que fazia cobertura no assalto. “A vítima reconheceu o bandido morto como um dos homens que invadiram a sua residência e disse que tinham outros bandidos. Vamos continuar em patrulhamento para conseguir prender todos”, disse o tenente Werner à Banda B.

O corpo do homem foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML) de Curitiba e a Delegacia de Pinhais deve ficar responsável pelo caso.