Um ex-funcionário acusado de participação num assalto de R$ 20 mil a uma construtora do bairro Rebouças, em Curitiba, foi preso nesta terça-feira (6) em uma casa do bairro Tatuquara. Na ocasião, 5 de dezembro do ano passado, três homens invadiram a construtora, levaram o dinheiro e fugiram em um veículo da empresa. Claudinei da Silva Gomes, 30 anos, foi preso por volta das 6h de hoje por policiais da Delegacia de Furtos e Roubos (DFR).

O detalhe é que a ação criminosa foi recheada de trapalhadas, como é possível ver no vídeo abaixo. Não acostumados com o carro automático que haviam roubado da empresa os suspeitos tiveram problemas para dirigir e largaram o veículo quadras depois. O problema é que nem isto eles conseguiram fazer, já que o carro começou a andar sozinho. Por meio desta trapalhada os suspeitos foram identificados.

Confira o vídeo dos ladrões trapalhões:

De acordo com o delegado Amarildo José Antunes, a especializada conseguiu imagens destas câmeras de segurança da construtora e identificou dois dos assaltantes. “Com as imagens e mais alguns depoimentos de testemunhas, identificamos dois ex-funcionários da construtora”, contou o delegado.

O delegado explicou que, além de Gomes, preso na manhã desta terça, outro homem, chamado Miguel Ribeiro de Souza, 32 anos, foi identificado como partícipe do crime. “Estamos caçando o outro ex-funcionário. Com a divulgação das imagens estamos tentando identificar o terceiro marginal”, afirmou o delegado.

Dono de lojas de motos preso com um quilo de cocaína

Outro trabalho da DFR resultou na prisão, durante a noite da última quarta-feira (27), de Eloir de Jesus Goinsky Júnior, 39 anos, por tráfico de drogas. Na loja de motos de Júnior, localizada na Rua Paula Kissula, no Capão da Imbuia, em Curitiba, os policiais da especializada encontraram uma bolsa com cerca de um quilo de cocaína. “Ele foi preso e autuado por tráfico de drogas”, contou Antunes.

Segundo o delegado, os policiais da DFR estavam investigando a receptação de objetos conseguidos através de furtos e roubos que poderiam estar sendo armazenados na loja. “Eles foram até lá e encontraram a droga escondida numa bolsa e uma balança de precisão, caracterizando mais ainda o tráfico de drogas”, disse.

Conforme Antunes, os 1.069 gramas de cocaína valem aproximadamente R$ 107 mil. “Cada bucha de um grama é vendido por R$ 10”, contou.