Assaltantes com máscara de palhaço arrombaram um prédio comercial no bairro Batel, em Curitiba, na madrugada desta quarta-feira (7). Em dois, eles entraram em diversos escritórios e fugiram – sem disparo do alarme – com notebooks, dinheiro e outros objetos. A Polícia Militar (PM) foi acionada, registrou Boletim de Ocorrência (B.O), mas o caso só deve ser analisado pela Delegacia de Furtos e Roubos (DFR) nos próximos dias.

Um dos escritórios arrombados é de radiologia odontológica. A proprietária contou à Banda B que descobriu sobre o furto apenas pela manhã. “Eu cheguei para trabalhar, saí do elevador e já vi que a porta estava arrombada. Foram várias salas arrombadas, eu fui entrando em tudo para ver o que tinha acontecido, eu desci para falar com a porteira e pedir para ligar para a polícia”, descreveu ela, que não será identificada.

Há 11 anos no local, o fato de o alarme não ter disparado intriga a empresária. “Eles cortaram assim que entraram no prédio, deu pra ver pelas imagens, mas até chegar nesse lugar, tinha que ter disparado”, disse à Banda B.

Além da ausência do alarme, a delonga no processo entre as polícias deixou a empresária desanimada. “No fim do dia eu fui até a Furtos e Roubos para levar as imagens e eles falaram que não iam poder receber porque a Polícia Militar não tinha digitalizado o Boletim de Ocorrência. Que a gente tinha que esperar três dias úteis para depois levar as imagens. Agora com Carnaval, sei lá quando chega isso pra eles”, lamentou.

A Banda B entrou em contato com a Polícia Militar (PM) sobre o prazo de digitalização e finalização do B.O e também com a Polícia Civil. A última informou que o trabalho de perícia, investigação e coleta de dados iniciam a partir do recebimento do B.O.