Por Elizangela Jubanski e Antônio Nascimento

pm-ruaxv2

Ninguém foi detido – comerciantes reclamam de arrombamentos. Foto: AN/ Banda B

Uma confusão na Rua XV de Novembro, no centro de Curitiba, envolveu moradores de rua e um policial do Batalhão de Polícia de Trânsito (Bptran), na manhã desta quinta-feira (25). Ninguém foi detido, mas duas facas foram apreendidas pela Polícia Militar (PM). Uma banca que fica próxima ao local teve os vidros quebrados durante a madrugada e diversos ursos de pelúcia roubados. A polícia não descarta a hipótese dos moradores terem arrombado o local.

De acordo com testemunhas, os moradores de rua, que ficam entre a rua Monsenhor Celso e a av. Marechal Floriano, estavam alterados desde o início da manhã, promovendo algazarras com pedestres que passavam pelo local. O policial do Bptran atravessava o calçadão quando teria sido xingado, conforme conta o segurança de uma empresa privada, um dos primeiros a chegar.

“O policial estava passando e os moradores de rua chamaram ele de porco, acabaram arrancando o boné que ele estava, deu um empurra-empurra, eles cercaram o policial e a gente notou a confusão”, descreveu o segurança, que não terá o nome revelado. Segundo o segurança, vários moradores eram adolescentes e as facas usadas para amedrontar pedestres foram jogadas em bueiros com a chegada da viatura da PM.

“Alguns estavam armados com faca, outros eram adolescentes infratores, tem até criança aqui que deveria estar na escola. Os trabalhadores aqui da XV não aguentam mais”, finalizou o segurança. Ainda, enquanto os policiais realizavam a abordagem, detectaram que uma banca estava com os vidros quebrados e vários objetos no chão – ursos de pelúcia tinham sido levados. Os proprietários disseram que, em apenas dois dias, esse foi o segundo arrombamento no local.

Nota

Para a Banda B, a Prefeitura de Curitiba afirmou não ser responsável por tudo o que fazem ou deixam de fazer moradores de rua. Segue nota, na íntegra. “Qualquer caso envolvendo segurança pública ou contravenção, tipo uso de drogas, deve ser encaminhado à autoridade policial. A FAS tem um serviço exclusivo de atendimento a moradores de rua na região central, o Atendimento Social Avançado (ASA), instalado na Praça Osório, que aborda diariamente os moradores de rua que vivem no centro. Também foi instalado na Praça um guarda-pertences para moradores de rua deixarem seus pertences durante o dia e isso não atrapalhe os transeuntes e o comércio.Qualquer pessoa pode solicitar a abordagem social a moradores de rua pelo 156. Mas a prefeitura não pode remover ninguém a força. A Prefeitura dispõe de 1300 vagas de acolhimento para moradores de rua. A maior parte desses equipamentos fica na região central”.