Da Redação

Após a morte do agente de cadeia Eliel Schimerski Santos, durante uma fuga de doze presos da Delegacia sede de Colombo, na região metropolitana de Curitiba, a Secretaria de Segurança Pública do Paraná (Sesp-PR) informou que os 82 presos que estavam na carceragem do local, que tem capacidade para no máximo 25, foram transferidos à Penitenciária Estadual de Piraquara (PEP) neste domingo (11).

A transferência dos presos foi determinada pelo governador Beto Richa (PSDB) logo após a morte do agente, na situação em que outro agente de cadeia e um policial civil também foram baleados. Com relação as outras transferências das demais delegacias de Curitiba e região, não foi informado ainda pela Secretária de Justiça (Seju) como isso irá acontecer.

Por meio de uma nota postada no site do governo logo após a tragédia de ontem, o governo anunciou que vai antecipar algo que estava planejando para os próximos três meses. “A determinação do governador é pela imediata retirada dos presos das delegacias, a começar por Colombo. Os presos deverão ser absorvidos pelo sistema prisional do Estado, de responsabilidade da Seju”, diz a nota.

Possibilidade de paralisação

A diretoria do Sindicato das Classes Policiais Civis do Paraná (Sinclapol) pode paralisar as atividades da Polícia Civil  nesta semana. Segundo um dos diretores do Sinclapol, Valdir Triana, depois da tragédia anunciada que aconteceu em Colombo alguma coisa precisa ser feita. Durante o dia de hoje, o sindicato irá explicar como acontecerá a paralisação.

A fuga em Colombo
A fuga em Colombo aconteceu na hora da chegada da marmita dos presos. Eles estavam armados dentro da cela e dispararam contra dois agentes de cadeia e um investigador da Polícia Civil. Um agente morreu, outro ficou baleado e o policial civil também saiu ferido. A informação é que pelo menos quatro presos levaram tiros e, até o fechamento desta reportagem, nenhum foi recapturado.

Notícias Relacionadas:

Fuga de presos em Colombo deixa agente de cadeia morto e policial baleado