estadao_conteudo_cor

assalto abc

Câmeras flagraram ação dos bandidos – Reprodução TV Globo

A tentativa de assalto à empresa de transporte de valores Protege, em Santo André, no ABC Paulista, provocou pânico entre os moradores de um condomínio localizado em frente ao prédio atacado na madrugada desta quarta-feira, 17. Para a vendedora Andréa Hollosi, de 45 anos, o cenário na Rua dos Coqueiros era de guerra.

“Fiquei abalada. Parecia coisa de guerra, com bombardeio. O chão e as janelas vibraram”, afirmou Andréa.

Segundo ela, pregos e cápsulas de bala estavam espalhados na via após cerca de 40 minutos de tiroteio. A vendedora desistiu de sair para trabalhar nesta quarta-feira.

O susto foi tão grande que Andréa se jogou no chão. “A melhor coisa é ir para o chão. Não sabia de onde vinham as balas”, explicou.

A advogada Rosana Cristina de Oliveira, de 42 anos, moradora do 2° andar do prédio, contou que também se jogou no chão. “As janelas estremeciam”, disse. Ela tinha uma viagem marcada para Minas Gerais, às 6h30, e perdeu o ônibus porque preferiu não arriscar.

“O trânsito estava travado. Tomei banho, coloquei a roupa a estava pronta para sair. Mas a polícia estava chegando, e a informação dos vizinhos era de que a Avenida dos Estados estava cheia de pregos”, disse Rosana.

O assalto

Homens armados invadiram na madrugada desta quarta, 17, a empresa de transporte valores Protege, em Santo André, na Rua dos Coqueiros, 1.291, bairro Campestre. Segundo a Polícia Militar, ao deixar o local, os invasores trocaram tiros com funcionários da empresa e incendiariam veículos das proximidades durante a fuga. Ninguém foi preso e, a princípio, não há feridos, nem registro de roubo.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, além da Rua dos Coqueiros, há outros focos de incêndio nas proximidades para conter a chegada da polícia, como a Avenida São Caetano. Os demais pontos atacados pelos bandidos não foram confirmados pela corporação.

A PM chegou ao local por volta das 3h20 após receber diversas ligações de moradores da região, denunciando troca de tiros, explosão de artefatos e incêndio de veículos. Até as 6h, ainda havia policiais no local fazendo o levantamento de dados e acompanhando o trabalho da perícia. O caso será investigado pela Polícia Civil. O fogo na sede da Protege está sob controle e não há informação oficial sobre a duração do tiroteio, embora moradores relatem nas redes sociais que a troca de tiros se estendeu por cerca de 20 minutos.

Esse é o segundo assalto realizado a uma sede da Protege em 2016 Na madrugada de 14 de março, criminosos roubaram cerca de R$ 50 milhões da sede da empresa em Campinas. Na ocasião, os bandidos utilizaram dinamite e fuzis para invadir o local.