Por Elizangela Jubanski e Bruno Henrique

pai-adolescente

Pai do adolescente está revoltado: “Isso não pode ficar assim. A polícia tem que proteger o cidadão, não matar”, disse à Banda B. Foto: BH/Banda B

Um adolescente está internado no Hospital Evangélico, em Curitiba, em estado grave após ter sido baleado nas costas pela Polícia Militar (PM). Kennedy da França Rosa, 17 anos, fugiu de uma abordagem policial na cidade de Itaperuçu, na região metropolitana de Curitiba, por não ter Carteira Nacional de Habilitação (CNH). A família do garoto está indignada e pede justiça.

De acordo com pai, o guincheiro de obras Nivano Alves da Rosa, o garoto voltava da escola na sexta-feira (15), onde faz o Ensino Médio no período noturno, quando foi abordado por volta das 22 horas por uma viatura da Polícia Militar (PM) no Jardim Itaú. “Eu assumo o erro de deixar meu filho pilotar moto sem ter carteira. Ele estudava à noite, ficamos com medo de deixar ir a pé. Mas atirar no meu filho, ainda pelas costas não é direito da polícia. Queremos justiça, isso não pode ficar assim. A polícia tem que proteger o cidadão, não matar”, disse o pai, em entrevista à Banda B, na manhã deste domingo (17).

O adolescente não acatou a voz de abordagem por temer a falta de CNH e seguiu a diante. Um policial militar que participava da abordagem atirou nas costas do garoto para impedir a fuga. O Serviço Integrado de Atendimento ao Trauma em Emergência (Siate) foi acionado e socorreu Kennedy até o Hospital Evangélico, em Curitiba. O estado dele é gravíssimo e ele corre risco de morte.

Resposta
Em nota, a Polícia Militar (PM) informou que, de acordo com informações da equipe que atendeu a ocorrência, havia uma blitz policial e duas motos se evadiram do local. Uma delas foi acompanhada pela viatura. Pouco a frente, o rapaz caiu da moto, levantou e tentou fugir, mas foi alcançado por um PM. Mesmo abordado, o rapaz continuou tentando escapar e, quando o policial tentou usar a outra mão para contê-lo, a arma disparou acidentalmente.
O 22º Batalhão afirmou ainda que o policial envolvido na ocorrência tem um bom histórico na corporação, foi encaminhado para acompanhamento psicológico e, em seguida, será colocado no Serviço Administrativo até o término do Inquérito Policial Militar (IPM), aberto nesta segunda feira (18), para apurar as circunstâncias do fato.