Redação com CMC

autismo

do Portal mamaeplugada.com.br

Os vereadores de Curitiba aprovaram nesta quarta-feira (31) o projeto de lei que torna obrigatória a realização de dois exames clínicos para diagnóstico do autismo. Para que a medida entre em vigor na cidade, é necessária a sanção do prefeito. A norma começará a valer 60 dias após a publicação no Diário Oficial do Município.

Os procedimentos clínicos serão feitos no acompanhamento das crianças, do nascimento aos 36 meses de idade, por profissionais especializados. O primeiro deles chama-se Indicadores Clínicos de Risco para o Desenvolvimento Infantil (IRDI), que avalia 31 quesitos na relação entre bebê e cuidador nos primeiros 18 meses de vida. O segundo, conhecido como M-Chat (sigla em inglês para Modified Checklist for Autism in Toddlers), é um questionário com 23 perguntas feito aos pais sobre as crianças, de 18 a 36 meses, sobre as habilidades sociais dos filhos. “Quando o Transtorno do Espectro Autista [TEA] é identificado antes dos três anos de idade, e com a correta intervenção, a melhora das habilidades sociais pode chegar a 80%”, justificou o autor da proposição.

O Transtorno do Espectro Autista (TEA), também popularmente chamado de autismo, geralmente se instala nos 3 primeiros anos de vida, quando o cérebro deixa de formar as conexões responsáveis pela comunicação e relacionamentos sociais. O autismo afeta cerca de 1% da população mundial e resulta de vários transtornos de desenvolvimento, que podem incluir dificuldades na fala, problemas de interação social e comportamentos estereotipados.

E apesar da síndrome não ter cura, fazer um diagnóstico precoce é fundamental, pois isso pode contribuir para conter o avanço da síndrome e aumentar as chances de que a criança tenha uma vida mais autônoma e funcional. Portanto, idealmente o tratamento deve ser começado o mais cedo possível, estimulando a comunicação e a socialização das crianças por meio de atividades como jogos, brincadeiras como contar uma historinha infantil entre outras coisas, são superimportante para que a criança aprenda novas habilidades.

Mas como identificar os primeiros sintomas da doença? A que sinais de desenvolvimento os pais devem ficar atentos? Algumas características típicas podem dar pistas de que a criança esteja dentro do espectro autista. São elas:

• Não responde quando é chamada pelo nome, ou parece estar “surda”.
• Costuma ficar “olhando para o nada” ou fixamente na mesma direção.
• Muitas vezes parece “aérea” e sua face não tem muita expressão.
• Tem falta de interesse em explorar o ambiente.
• Ou fica “elétrica”, andando para lá e para cá, mexendo em tudo.
• Mostra interesse incomum por objetos e os usa de forma muito particular.
• A sua relação com os brinquedos é diferente do que o esperado.