Da Agência Lusa 

Serra Leoa impôs um confinamento de quatro dias à população em todo o país como forma de tentar conter a propagação do vírus do ebola. De 18 a 21 de setembro, toda a população da Serra Leoa terá de permanecer em casa, informou o governo do país.

A medida tem como objetivo permitir que os profissionais de saúde identifiquem e isolem novos casos de ebola, para evitar que a doença se espalhe ainda mais, disse Ibrahim Ben Kargbo, um assessor do governo.

“A abordagem agressiva é necessária para lidar com a propagação do ebola de uma vez por todas”, afirmou.

Até agora, cerca de 3,5 mil pessoas na Guiné, em Serra Leoa, na Libéria, no Senegal e na Nigéria foram infectada e mais de 2 mil mortes foram registradas. Até sexta-feira, só Serra Leoa tinha registrado 491 mortes.

A infecção pelo vírus do ebola se dá pelo contato direto com fluidos corporais dos doentes, tais como sangue, urina, fezes ou sêmen. O vírus provoca uma febre hemorrágica, com sintomas que incluem febre elevada de início, mal-estar geral, dores (cabeça, garganta, peito, abdominal, muscular), manchas na pele, náuseas, vômitos, diarreia e hemorragias.